Dívida pública federal sobre para R$ 1,746 tri em maio, diz Tesouro

Por sua vez, a Divida Pública Federal externa apresentou redução de 0,64% em relação a abril e chegou a R$ 81,08 bilhões

Eduardo Rodrigues e Adriana Fernandes, da Agência Estado,

21 de junho de 2011 | 14h48

A Dívida Pública Federal total cresceu 0,67% em maio, chegando a R$ 1,746 trilhão, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira, 21, pelo Tesouro Nacional. A Divida Pública Federal externa, porém, apresentou redução de 0,64% em relação a abril e chegou a R$ 81,08 bilhões.

A parcela da Dívida Pública Federal total, em títulos prefixados, aumentou de 34,81% para 36,38%. Já a fatia de títulos atrelados à inflação caiu de 28,54% para 26,67%. Os papéis vinculados à taxa Selic apresentaram ligeiro aumento de 32,13% para 32,5%, enquanto os títulos remunerados pela variação do câmbio caíram de 4,52% para 4,45% do total.

Com o fechamento de maio, apenas a porcentagem de papéis atrelados à Selic ainda está fora do previsto do Plano Anual de Financiamento (PAF 2011) que prevê um intervalo de 28% a 32% para a participação desses títulos na composição da dívida.

Já a Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 0,73% em maio na comparação com abril e foi a R$ 1,665 trilhão. O aumento no mês foi de R$ 12,133 bilhões. A variação ocorreu devido ao gasto com juros no valor de R$ 18,274 bilhões menos o total de um resgate líquido de R$ 6,14 bilhões.

Em maio, o porcentual de títulos prefixados na DPMFi ficou em 37,43% ante 35,82% em abril. Já a parcela dos papéis remunerados pela inflação caiu de 29,95% para 27,97%. Já os títulos corrigidos pela Selic cresceram de 33,71% para 34,09%. Por fim, os papéis atrelados ao câmbio se mantiveram estáveis em 0,52% do total da DPMfi.

A participação de não residentes no País na Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) aumentou de 11,29% em abril para 11,45% em maio. Com isso, o volume de papéis nas mãos de estrangeiros passou de R$ 186,6 bilhões para R$ 190,71 bilhões.

O prazo médio da DPMFi subiu em maio de 3,48 anos para 3,50 anos. Da mesma forma, melhorando o perfil do endividamento, a parcela da DPMFi a vencer em 12 meses caiu de 23,79% para 21,69%. Já o custo médio acumulado em 12 meses até maio aumentou de 12,24% ao ano para 12,30% ao ano.

Tudo o que sabemos sobre:
DPMFiaumentodívidamobiliária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.