Dívida rural: PR deve encerrar 2007 com prejuízo de R$ 1,651 bi

Brasília, 20 - Os produtores rurais paranaenses devem encerrar 2007 com um prejuízo de R$ 1,651 bilhão. A estimativa foi apresentada nesta manhã por técnicos da Federação de Agricultura do Paraná (FAEP) que realizaram estudos sobre a situação de endividamento do setor no Estado.Os técnicos consideram que mesmo com a receita estimada para esta safra de R$ 9,556 bilhões, os produtores terão prejuízo porque consideram neste cálculo os estoques de dívidas, que incluem despesas com prorrogação de dívidas de custeio e investimento até dezembro de 2005, o custo operacional e o custo de sobrevivência dos produtores.No acumulado entre 2004 e 2006, as dívidas do Estado somam R$ 9,78 bilhões. De acordo com Pedro Augusto Loyola, economista da FAEP, o câmbio foi o principal fator desta crise, mas a seca, a gripe aviária e a febre aftosa também contribuíram para agravar a situação do agricultor paranaense. "Com a desvalorização do dólar, o produtor perdeu muita renda. Somente na safra 2006/07, ele deixará de ganhar 6,84%", afirma Loyola.Juntamente com o estudo, a FAEP apresentou suas propostas para a agricultura, que incluem prorrogação das dívidas de custeio e investimento contratadas até dezembro de 2005 para 10 anos, com 2 anos de carência, cujo valor é estimado em R$ 5,5 bilhões; a redução das taxas de juros para até 4,5% no custeio e de até 6% ao ano investimentos; alteração sistema de seguro rural para incluir os níveis de produtividade históricos de cada produtor; autorização para fazer navegação de cabotagem com navios de bandeira estrangeira; desoneração do óleo diesel para o setor rural; e liberação da importação de agroquímicos do Mercosul, que têm custo mais baixo na Argentina e Uruguai.As propostas da federação paranaense estão na pauta das reuniões do chamado grupo de trabalho composto por representantes dos ministérios da Agricultura, Fazenda, da Comissão de Agricultura da Câmara, da Confederação de Agricultura e Pecuária (CNA) e de cooperativas. O deputado Abelardo Lupion (DEM/PR), um dos participantes do grupo, considerou que o estudo apresentado pela FAEP ajuda a fundamentar as propostas dos agricultores. "Agora podemos mostrar, com base em números, como está a situação rural", afirmou. Segundo ele, o próximo passo é fazer o levantamento nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.