DJ corrige: Mineradora ENRC amplia presença no Brasil

A agência Dow Jones corrigiu informação contida em nota distribuída anteriormente. O valor total em dinheiro que a mineradora ENRC pagará pela participação remanescente de 50% na Bahia Minerals BV e pela opção de comprar a Greystone é de US$ 820 milhões (R$ 1,4 bilhão) e não US$ 720 milhões (R$ 1,2 bilhão). Segue a nota corrigida:

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

21 de setembro de 2010 | 17h05

Numa tentativa de fortalecer sua presença no Brasil, a mineradora cazaque Eurasian Natural Resources Corp. (ENRC) anunciou a compra dos 50% de participação remanescente na mineradora brasileira Bahia Minerals BV, que ainda não possuía, e adquiriu uma opção de comprar o ativo vizinho de minério de ferro Greystone por US$ 820 milhões (R$ 1,4 bilhão) em dinheiro.

A ENRC está pagando US$ 670 milhões (R$ 1,16 bilhão) em dinheiro à Zamin BM NV pela participação restante na Bahia Minerals, depois de assumir uma dívida líquida de cerca de US$ 65 milhões (R$ 112,6 milhões). A Bahia Minerals possui duas empresas de minério de ferro: a Bahia Mineração Limitada e a Eire Mineração Limitada, ambas localizadas na região de Caetité, na Bahia.

O projeto da Bahia Mineração Limitada completou seu estudo de viabilidade em julho e deverá produzir 11 milhões de toneladas de minério de ferro concentrado até 2011. A produção do ativo está prevista para ser ampliada para 19,5 milhões de toneladas por ano até 2014 a um custo de US$ 2,1 bilhões (R$ 3,63 bilhões) em desenvolvimento. Os produtos de minério de ferro processado terão um teor de minério de ferro entre 67% e 68,5%.

O projeto deverá se beneficiar dos baixos riscos de logística, visto que o governo brasileiro ficará responsável por desenvolver a linha ferroviária para transportar o minério até o porto. O prazo para a construção da ferrovia ainda precisa ser definido, mas o governo brasileiro espera conceder o contrato de construção no quarto trimestre deste ano. Segundo a ENRC, a aprovação e o prazo da licença ambiental para o porto também deverá ser determinado.

A Bahia Minerals tem uma base de recursos de minério de ferro de 1,81 milhão de toneladas com um teor médio de ferro de 32%. A ENRC comprou sua primeira participação de 50% na companhia brasileira da Zamin em maio de 2008, por US$ 306 milhões (R$ 530 milhões) em dinheiro.

A ENRC também garantiu uma opção de compra de 100% da Greystone Mineração do Brasil da Zamin por cerca de US$ 150 milhões (R$ 250 milhões em dinheiro). A Greystone tem uma base de recursos de minério de ferro de 147 milhões de toneladas com um teor médio de ferro de 31,8%, e recursos potenciais de 187,5 milhões de toneladas adicionais.

Se a ENRC não exercer a opção, parte do pagamento da opção será usada para pagar a compra da Brasil Minerals. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.