Edilson Rodrigues|Agência Senado
Edilson Rodrigues|Agência Senado

Dólar fecha em queda e antecipa permanência de Renan à frente do Senado

Moeda teve leve recuo e encerrou sessão cotada a R$ 3,40; Bolsa operou em alta moderada durante todo o pregão e encerrou com avanço de 0,53%

Denise Abarca, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2016 | 17h54

O dólar comercial à vista fechou em queda de 0,42% nesta quarta-feira, 7, aos R$ 3,4028. A moeda norte-americana, que caiu o dia todo, chegou a ensaiar alta no fim da tarde, refletindo a busca por proteção de alguns investidores no aguardo do resultado do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o afastamento de Renan Calheiros (PMDB-AL), que continua a atuar como presidente do Senado após uma decisão liminar do ministro Marco Aurélio Mello ter determinado seu impedimento.

O mercado aposta na permanência de Renan no cargo, uma vez que ela pode influenciar a aprovação das medidas de ajuste fiscal em tramitação no Congresso. Investidores também reagiram à sinalização do Banco Central de que o ritmo de corte da Selic deverá aumentar em janeiro.

Também sob essa perspectiva, o Ibovespa subiu 0,53%, aos 61.6414,40 pontos. Na mínima, caiu 0,04%, aos 61.062 pontos e na máxima subiu 1,36%, aos 61.918 pontos. O volume foi de R$ 8,300 bilhões. Em dezembro, as perdas foram reduzidas para 0,79%. Em 2016, a Bolsa acumula ganhos de 41,67%. Os negócios no mercado de ações mantiveram um ritmo de alta moderada durante toda a sessão.

Nesta sessão, os investidores chegaram a ficar mais tranquilos, com o dólar recuando mais de 1% sobre o real na parte da manhã, com notícias na mídia de que o STF poderia manter Renan na presidência da Casa, mas fora da linha sucessória da Presidência da República, e contornar a crise política.

"O mercado resolveu se proteger um pouco", resumiu um operador da mesa de câmbio de uma corretora doméstica.

No exterior, o dólar cedia ante divisas de emergentes, como pesos mexicano e chileno e o rand sul-africano o que ajudou a trajetória de baixa da moeda norte-americana por aqui.

O Banco Central vendeu integralmente nesta manhã o lote de 15 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares, para rolagem do contratos com vencimento em janeiro.

Mercado de ações. A Bolsa foi sustentada pelos ganhos firmes das ações da Vale e siderúrgicas, principalmente, e também pelo bom desempenho das bolsas no exterior. Na ponta oposta, Petrobrás e parte do setor financeiro caíram.

As ações da mineradora reagiram ao avanço de quase 5% nos preços do minério de ferro nos portos da China para o maior valor em mais de dois anos. Vale PNA subiu 3,11% e Vale ON, +3,43%. Gerdau avançou 4,73%. Usiminas PNA fechou em +3,74% - a Moody's elevou o rating da companhia de Ca para Caa2 em escala global.  

Já Petrobrás PN recuou 1,80% e a ON -1,56%, alinhadas ao declínio dos preços do petróleo, que por sua vez, sofreram correção diante da cautela antes da reunião da Opep com membros de fora do cartel na sexta-feira e também em razão da alta acima da esperada dos estoques de gasolina nos EUA na semana passada.  

O setor financeiro teve desempenho misto, embora papéis de peso no índice, como Itaú Unibanco PN (-0,79%) e Bradesco PN (-0,62%), tenham fechado em baixa./COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.