Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

É cedo para dizer se BC europeu aceitará bônus grego, diz conselheiro

Em entrevista, José Manuel González-Páramo também exortou a Espanha e a Itália a tomarem todas as medidas necessárias para o cumprimento de suas metas fiscais

Renato Martins, da Agência Estado ,

27 de julho de 2011 | 16h58

José Manuel González-Páramo, integrante do Conselho Executivo do Banco Central Europeu (BCE), afirmou que é cedo demais para dizer se a instituição aceitará títulos da dívida grega como colaterais ao conceder empréstimos a bancos. "Não sabemos ainda o que as agências de rating vão fazer, nem os detalhes do novo fundo de ajuda", disse González-Páramo a repórteres.

Em entrevista a ser publicada nesta quinta-feira pela revista francesa Le Point, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, diz que o novo pacote de ajuda à Grécia parece estar de acordo com a posição do próprio BCE, contra criar um "evento de crédito" (que implicaria a declaração de default pelas agências de rating) e contra obrigar os detentores de bônus a participar.

A participação do setor privado no plano foi aceita pelo BCE no último minuto, na semana passada. Mas as agências de rating poderão interpretar essa participação como um default seletivo, o que tornaria impossível para os bancos gregos terem acesso a empréstimos do BCE usando bônus da dívida do país como colaterais.

González-Páramo também disse que o programa de compra de bônus do BCE continua em andamento, apesar da decisão recente dos chefes de governo dos países da zona do euro de permitir que o fundo europeu de estabilidade financeira compre bônus diretamente no mercado secundário.

Ele também exortou a Espanha e a Itália a tomarem todas as medidas necessárias para o cumprimento de suas metas fiscais e afirmou que a Grécia está comprometida com a solução de seus problemas.

Na última escalada da crise da dívida europeia, um movimento forte de vendas atingiu os bônus da Espanha e da Itália, provocando quedas fortes de preço e, portanto, altas nas taxas de retorno. Novas elevações dos juros desses bônus poderão forçar o BCE, que tem estado fora dos mercados nas últimas semanas, a comprar títulos desses países. González-Páramo preferiu não fazer declarações sobre as chances de isso acontecer. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.