É preciso definir limite para ingresso de capital estrangeiro no País

Segundo o empresário Jorge Gerdau, é necessário impedir que o real valorizado prejudique a indústria nacional

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

26 de julho de 2011 | 15h51

O empresário Jorge Gerdau, que comanda a Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade criada pelo governo, afirmou nesta terça-feira, 26, que o governo precisa definir limites para a entrada de capital estrangeiro no Brasil. Segundo ele, o assunto é complexo, mas precisa ser enfrentado para impedir que a valorização do real prejudique a indústria nacional, que perdeu competitividade nas exportações e enfrentam a concorrência das importações baratas.

"As políticas financeiras e econômicas têm que obedecer a uma discussão de vontade política de qual País queremos ser", disse. "Se é só pela visão financeira, com fluxo de capitais, é melhor deixar como está. Mas, para uma visão estratégica de longo e médio prazo, eu diria que é preciso ter uma política de desenvolvimento industrial e tecnológica", completou.

Gerdau lembrou que a balança comercial está sendo sustentada pelo preço das commodities e destacou que está crescendo o déficit da balança em produtos industrializados. Segundo o empresário, o processo de desindustrialização já começou e a presidente Dilma Rousseff tem preocupação "total" com o tema.

"Nós todos enxergamos que este não é o País que queremos. Isso exige um esforço estratégico importante, tributário, de investimentos e aumento da poupança nacional", disse. Gerdau acredita que o governo deve continuar utilizando o IOF como instrumento para evitar a entrada de capital especulativo no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.