É prematuro falar de sinergias, diz Usiminas sobre Ternium

Empresa do conglomerado argentino Techint entrou no grupo de controle da siderúrgica

Fernanda Guimarães, da Agência Estado, Agencia Estado

28 de novembro de 2011 | 16h17

O presidente da Usiminas, Wilson Brumer, disse, há pouco, em teleconferência com jornalistas, que ainda é muito prematuro falar de sinergias que poderão ser conquistadas com a entrada da Ternium, do conglomerado argentino Techint, no grupo de controle da Usiminas.

"Somos parceiros de longa data e haverá discussões para descobrirmos o que poderemos fazer juntos", disse o executivo.

O executivo voltou a afirmar que não está sendo estudado um projeto para a produção de placas, produto em que a Ternium possui um déficit. "É mais barato comprar do que produzir placas. A Usiminas não é historicamente produtora de placas e temos procurado agregar valor aos produtos", disse.

Brumer disse ainda que os contratos que a companhia possui com a Votorantim e Camargo Corrêa para o fornecimento de escória de alto-forno continuarão valendo, mesmo após a venda da fatia que as empresas detinham para a argentina Ternium.

"Temos contratos de longo prazo e isso não foi objeto de negociação. Os contratos continuarão sendo praticados. Nada muda. A Camargo e Votorantim sempre foram clientes e vão continuar", disse o executivo.

A escória de alto-forno é utilizada para a produção de cimento, core business tanto da Votorantim quanto da Camargo Corrêa.

Meta de produção está mantida

Brumer afirmou ainda que as aquisições no segmento de mineração anunciadas hoje não alteram a meta para a produção de minério de ferro pela empresa. Para este ano, está mantida a meta de produção de 8 milhões de toneladas; em 2012, de 12 milhões de toneladas e para 2015 de 29 milhões de toneladas.

"Isso não mudou nosso planejamento de produção", disse o executivo. A Usiminas informou que concluiu as negociações relacionadas à aquisição da Mineração J. Mendes Ltda., Somisa (Siderúrgica Oeste de Minas Gerais Ltda) e Global Mineração Ltda., conforme previsto no contrato original e divulgado em fato relevante datado de 2 de fevereiro de 2008. As três empresas são voltadas à exploração de minério de ferro no quadrilátero ferrífero de Minas Gerais.

Adicionalmente, a Usiminas informa que a sua controlada Mineração Usiminas S.A. (Musa) firmou instrumento contratual que estabelece a compra de ativos, dentre eles, imóveis e direitos, referentes a um título minerário localizado em Serra Azul, Minas Gerais, por meio da aquisição da Mineração Ouro Negro.

A Musa firmou ainda acordo de cooperação operacional para exploração de direitos minerários com áreas contíguas à Ferrous Resources do Brasil S.A., na sua mina de Santanense, com o objetivo de otimizar o aproveitamento das reservas de minério de ferro localizadas nas áreas limítrofes entre as duas mineradoras em Serra Azul.

Tudo o que sabemos sobre:
Usiminasminério de ferro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.