'É uma questão regulatória'

Diz Meirelles sobre o nível de liquidez do sistema financeiro 

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

22 de fevereiro de 2010 | 17h39

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que alguns fatores importantes são analisados pelo BC para definir o nível dos depósitos compulsórios. Em agosto de 2008, os depósitos compulsórios estavam em uma marca próxima a R$ 270 bilhões. "Estamos olhando a questão dos compulsórios do ponto de vista de liquidez, não só de cada instituição como do sistema financeiro como um todo", comentou. Segundo ele, o BC está analisando qual seria o nível de provisão de liquidez necessária às instituições no Brasil e quanto disso deverá ser preenchido pelo compulsório.

 

No final de 2008, devido ao credit crunch internacional ter cortado o fluxo de financiamentos no Brasil, o Banco Central tomou uma medida extraordinária que foi a de liberar uma parte expressiva dos depósitos compulsórios, o que atingiu um total de R$ 99,8 bilhões. Deste total, cerca de R$ 42,2 bilhões foram direcionados para o restabelecimento da liquidez de pequenas e médias instituições financeiras.

 

De acordo com a assessoria de imprensa do Banco Central, o BC deverá determinar até 31 de março deste ano se os recursos liberados aos bancos voltarão integralmente, parcialmente ou não haverá necessidade do retorno de tais depósitos obrigatórios.

 

Meirelles enfatizou que, além da provisão de liquidez dos bancos, é importante para definição do nível de depósitos compulsórios a liquidez do sistema financeiro. Ele também destacou que é importante a avaliação de questões de política monetária relacionadas especificamente às perspectivas de inflação e à evolução do nível de atividade da economia. "No caso da liquidez do sistema e da expansão do crédito é importante mencionar que a experiência internacional mostra que a questão prudencial é a primeira linha de defesa", comentou. "E a política prudencial brasileira é muito rigorosa, bem-sucedida. Estamos avaliando para saber até que ponto cabe algum aperfeiçoamento."

 

O presidente do BC ressaltou que a definição do nível de liquidez do sistema financeiro e de cada instituição que o compõe "é uma questão regulatória" e que faz parte das recomendações de Basileia. "Não deve ser deixada para cada instituição como foi feito em alguns países. Em definindo um nível geral de liquidez, cada país tem a sua abordagem. Alguns países definem algum tipo de papel mais líquido e menos líquido. Ficou claro (após a crise financeira internacional) que os depósitos compulsório são a forma mais eficaz, segura e eficiente de lidar com a questão da liquidez. E estamos olhando com muito cuidado."

 

As declarações de Meirelles foram feitas em entrevista a jornalistas após a solenidade de posse do novo presidente da Associação Brasileira de Bancos Internacionais (ABBI), Hélio Duarte, em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
juro, compulsório, Meirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.