Eletrobras anuncia investimento recorde de R$ 13,3 bilhões para 2012

Desse total, R$ 6,8 bilhões serão destinados a projetos de geração de energia; estatal fechou 2011 com um investimento total de cerca de R$ 9 bilhões

Mônica Ciarelli, da Agência Estado,

27 de dezembro de 2011 | 16h05

SÃO PAULO - A Eletrobras anunciou nesta terça-feira, 27, investimentos recorde de R$ 13,3  bilhões em 2012. Desse total, R$ 6,8 bilhões serão destinados a projetos de geração; R$ 3,8 bilhões para transmissão; R$ 1,8 bilhão para distribuição; e R$ 760 milhões para outros.

Segundo o presidente da Eletrobras, José da Costa, os investimentos serão importante para viabilizar o crescimento da companhia.

Para viabilizar o investimento anunciado, a Eletrobras pretende captar R$ 3,9 bilhões no mercado interno e externo, US$ 2 bilhões no exterior. Além disso, a companhia vai obter R$ 4,1 bilhões junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e fundos regionais e R$ 900 milhões com o BIRD. O restante virá do caixa da empresa.

Em 2011, a estatal fecha com investimentos na casa dos R$ 9 bilhões. A previsão inicial era de R$ 10 bilhões e a companhia chegou a pedir um reforço para R$ 12 bilhões mas, não conseguiu gastar toda a verba.

Costa também reafirmou a intenção de internacionalizar a empresa, chegando em 2020 com 10% da receita vindo do exterior. "A disputa pela fatia de 21% do governo português no capital da EDP foi um aprendizado para a estatal", lembrou. Segundo ele, a companhia brasileira chegou muito perto de levar a participação acionária, que acabou nas mãos de um grupo chinês.

Costa revelou que a Eletrobrás ofereceu 2,5 milhões de euros pelos 21% de participação na EDP, enquanto a chinesa ofertou 2,7 milhões de euros. Apesar de ter apresentado uma proposta financeira mais baixa, o executivo avalia que o plano estratégico da Eletrobras para EDP foi o melhor.

O projeto tinha como base transformar a Eletrobras na maior empresa de geração hidrelétrica do mundo e a EDP na maior em energia eólica. Para Costa, o que atrapalhou o processo foi o fato da estatal querer espaço para elevar sua participação para enfrentar qualquer disputa sobre o controle da empresa portuguesa caso os minoritários vendessem suas ações para uma empresa concorrente da Eletrobrás após a compra dos 21%.

Segundo ele, o governo português chegou a sinalizar que sem essa exigência, a Eletrobrás estaria em uma posição melhor. "Mas, essa era uma questão de ordem para nós", disse.

Em entrevista hoje, o presidente da Eletrobrás prometeu ainda que partir de 2014 as distribuidoras controladas pela companhia passarão a dar lucro. "Ano passado o prejuízo (das distribuidoras) foi de R$1,5 bilhão, esse ano vai ser de R$ 1 bilhão e ano que vem de R$ 600 milhões e R$ 300 milhões em 2013. Em 2014 vamos ter lucro nas 5 distribuidoras", afirmou. Para Costa, a empresa deverá assumir ainda este ano os 51% do capital da Celp, distribuidora de energias de Goiás, que está endividada. Sem revelar detalhes da operação, o executivo se limitou a afirmar que uma engenharia financeira está sendo construída pelo governo federal e estadual para resolver o problema da empresa.

 

Texto atualizado às 18h10

Tudo o que sabemos sobre:
eletrobrasinvestimento2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.