Eletrobras diz que não terá prejuízo com compra da Celg

O presidente da Eletrobras, José Antonio Muniz Lopes, disse hoje que a empresa não terá prejuízos com a operação de compra de 41% do capital votante da endividada estatal goiana Celg. "Não podemos perder dinheiro e não vamos perder. O ganhar pode ser decorrência de o trabalho ser feito", afirmou.

BRASÍLIA, Agencia Estado

24 de março de 2010 | 13h28

O executivo da companhia do setor de energia elétrica recebeu hoje deputados estaduais de Goiás. Para exercer o controle da operação da Celg, a Eletrobras precisa do aval da Assembleia Legislativa do Estado. "Quem vai mandar na Celg é a Eletrobras, porque vamos indicar o vice-presidente executivo e a diretoria toda", disse Muniz.

Segundo o presidente da Eletrobras, a compra dos 41% de ações da Celg custará R$ 140 milhões. A maior parte dos recursos não sairá dos cofres da Eletrobras, e sim do fundo do setor elétrico conhecido como Reserva Global de Reversão (RGR), que financia projetos como o Luz Para Todos.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaEletrobrascompraCelg

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.