Marcos de Paula|Estadão
Marcos de Paula|Estadão

Eletrobrás espera apoio de sócios em venda de ativos

Em estimativa inicial, companhia deve precisar levantar cerca de R$ 4 bi com venda de negócios, afirmam fontes 

Luciana Collet, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2016 | 08h22

A Eletrobrás deve iniciar seu processo de desinvestimento por ativos em que a companhia atua juntamente com outros parceiros - seja em concessões em que os sócios também estão buscando outro investidor, seja em projetos em que o parceiro pode se interessar por assumir sozinho o empreendimento. 

Segundo fonte que colabora na estruturação do plano estratégico da companhia, em uma estimativa inicial, a empresa pode precisar obter cerca de R$ 4 bilhões com venda de ativos para tocar seu plano de retomada.

A principal expectativa é a venda da Santo Antônio Energia, responsável pela hidrelétrica de mesmo nome. Odebrecht, Cemig e Andrade Gutierrez, que juntas detêm 51% da Madeira Energia S.A. (MESA), controladora da empresa, já admitiram que estão negociando a venda da hidrelétrica. 

Segundo uma fonte, as negociações estão avançadas e uma oferta poderia ser efetivada até novembro. Caso isso ocorra, a Eletrobrás poderia exercer seu direito de tag along, vendendo sua participação de 39%. 

Na linha dos desinvestimentos, o único nome já conhecido é o da Celg-D, distribuidora goiana na qual a estatal possui 50,9% e que deve ir a leilão até o final deste ano. O lance mínimo para a empresa foi estabelecido em R$ 1,7 bilhão. 

O montante restante, dizem fontes, deverá vir por meio da venda de fatias da Eletrobrás em Sociedades de Propósito Específico (SPEs) em que os sócios se interessem em assumir os projetos. “Existem projetos de transmissão e eólicos com sócios bons, que podem ter interesse”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.