Eletrobrás quer cortar 5 mil vagas em PDV

O conselho de administração da estatal de energia Eletrobrás aprovou nesta terça-feira um Programa de Demissões Voluntárias (PDV) - apelidado pela companhia de Plano de Desligamento Incentivado (PDI) - com o objetivo de demitir cerca de 5 mil pessoas. No total, 9,8 mil trabalhadores da empresa são elegíveis ao programa, que deverá ter um custo de R$ 2 bilhões, segundo fontes ligadas à companhia.

WELLINGTON BAHNEMANN, Agencia Estado

28 de maio de 2013 | 21h20

As demissões, que deverão gerar uma economia anual de R$ 1,8 bilhão à Eletrobrás em pagamento de salários, são apenas um passo no processo de reestruturação do grupo, que passa por uma forte crise veja quadro ao lado.

A busca por meios de cortar custos já se reflete nas ações. Apesar da descrença inicial sobre a recuperação da Eletrobrás, o mercado parece ter dado um voto de confiança à atual administração. Os papéis preferenciais (PNB) acumulam alta de 26,32% em 2013, após um conjunto de boas notícias sobre a companhia ao longo deste mês e a expectativa de que as ações recebam dividendo.

Esse movimento recuperou em parte as perdas apuradas depois da decisão de renovar as concessões de geração e transmissão, o que reduziu receitas. Uma segunda fonte ligada à empresa ouvida pela Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, disse que, apesar de esperar um custo total um pouco abaixo de R$ 2 bilhões, a empresa deverá fixar o valor da provisão em até R$ 3 bilhões para evitar surpresas desagradáveis ao mercado.

Compensação

Pelos termos do PDV da Eletrobrás, quem aderir mais rapidamente ao programa ganhará mais dinheiro. As demissões ocorrerão em duas etapas: a primeira, entre julho e dezembro de 2013; a segunda, de janeiro a novembro de 2014. Aquele que optar por deixar a estatal este ano terá direito a 65% da remuneração por ano trabalhado, limitado a 35 anos e ao valor máximo de R$ 600 mil. Além disso, esses empregados terão uma indenização complementar equivalente a 40% do saldo do FGTS e às verbas rescisórias, além da manutenção do plano de saúde por cinco anos.

Já os trabalhadores que optarem por sair em 2014 terão direito a 50% da remuneração, limitado a 24 anos e ao valor máximo de R$ 250 mil. Terão também direito a receber o equivalente a 40% do saldo do FGTS e verbas indenizatórias, além de plano de saúde por um ano. O limite total de indenização não pode ser superior a R$ 400 mil. Os termos das duas etapas do PDV já foram repassados pela Eletrobrás aos sindicatos dos empregados da estatal.

Dividendos

Boa parte da alta recente das ações da companhia no curto prazo se deve à expectativa do mercado sobre o pagamento de dividendos. De acordo com o analista, a PNB teria um yield (retorno) em torno de 20%, o que é considerado bastante atrativo. A redução de custos, a reestruturação das distribuidoras e a entrada em operação de novos projetos de geração e transmissão abririam espaço para a companhia também pagar dividendos para os detentores de ações ordinárias , o que melhoraria de maneira significativa a percepção do mercado sobre a Eletrobrás.

Prova de que a Eletrobrás segue um novo caminho ocorreu no primeiro leilão de transmissão, no começo de maio. Tradicionalmente agressiva, a estatal não levou nenhum dos dez lotes ofertados. Motivo: a baixa rentabilidade dos projetos. "Estamos mais rígidos. Não podemos assumir projetos com riscos sem ter a rentabilidade que consideramos adequada. Estamos procurando bons negócios e rentáveis", garantiu o diretor Financeiro e de Relações com Investidores, Armando Casado, em teleconferência realizada este mês.

Tudo o que sabemos sobre:
ELETROBRASPDV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.