Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Eletrobrás tem maior lucro em 20 anos

A empresa reportou ganho líquido de R$ 13,3 bi em 2018, ante prejuízo de R$ 1,7 bi em 2017; a estatal vai distribuir R$ 1,3 bi em dividendos sobre o resultado

Luciana Collet e Luana Pavani, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2019 | 10h58

A Eletrobrás informou na manhã desta quinta-feira, 28, que encerrou 2018 com um lucro líquido de R$ 13,3 bilhões, revertendo prejuízo líquido de R$ 1,7 bilhão em 2017, o qual foi reapresentado. O resultado vem de lucro líquido de R$ 15,2 bilhões em operações continuadas e prejuízo de R$ 1,9 bilhão em operações descontinuadas, as distribuidoras.

“O resultado foi o maior já apurado pela companhia nos últimos 20 anos”, disse a Eletrobrás, atribuindo o desempenho à redução de deterioração e contratos onerosos da usina nuclear de Angra 3, no valor de 7,2 bilhões de reais, e à venda de deficitárias subsidiárias de distribuição de energia.

O melhor resultado em relação à usina, ainda em construção, veio após o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) do governo aprovar no final de 2018 um aumento da tarifa que poderá ser cobrada pela usina para R$ 480 por megawatt-hora (MWh). Antes, esse valor era de R$ 248.

No quarto trimestre, a companhia anotou lucro líquido de R$ 12,1 bilhões, ante prejuízo líquido de R$ 4 bilhões no mesmo período do ano anterior. O resultado foi beneficiado por reversão de provisões para contingências no montante de R$ 1,2 bilhão no quarto trimestre de 2018, sendo quase R$ 600 milhões relativos a provisão para empréstimos compulsórios.

No ano a companhia obteve Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 20 bilhões.

A receita líquida no ano caiu 15% para R$ 25 bilhões no ano, ante R$ 29,4 bilhões em 2017. O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 578 milhões, 66% menor que a de R$ 1,7 bilhão em 2017.

Em 2018, o Sistema Eletrobrás realizou R$ 4,6 bilhões em investimentos, ou 74,1% do orçamento programado para o ano. Este valor se divide em R$ 3,3 bilhões corporativos e R$ 1,3 bilhões em parcerias. Ante 2017, cresceu 9,4% o total do investimento corporativo e caíram 41,6% nas parcerias.

Dividendos

A Eletrobrás comunicou também nesta quinta que vai propor aos acionistas o pagamento de dividendos no valor de R$ 1,3 bilhão, o que representa 9,43% do lucro líquido do exercício (payout), à razão de R$ 1,85 por ação preferencial da classe A, R$ 1,39 PNB e R$ 0,81 sobre a ordinária. A assembleia geral ordinária está marcada para 29 de abril.

Devido ao compromisso de dívidas das distribuidoras privatizadas, a companhia alega não ter capacidade financeira de pagar integralmente os dividendos obrigatórios sobre o resultado, que no ano foi de R$ 13,3 bilhões, de modo que a parcela correspondente a 25% como porcentual mínimo obrigatório seria correspondente a R$ 3,2 bilhões, observada a preferência no recebimento dos dividendos pelos titulares de ações preferenciais (A e B). O montante somado com o registrado na reserva de lucros a realizar totaliza R$ 3,5 bilhões.

Assim, a Eletrobrás propõe a retenção de R$ 2,29 bilhões em reserva especial de dividendos. Em 2017 não houve distribuição de proventos. /COM REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Eletrobrásenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.