Reprodução
Reprodução

C6 Bank escolhe Gisele Bündchen como garota-propaganda

Anúncio celebra marca de 10 milhões de clientes do banco; para especialista em marketing, escolha é inteligente, mas banco tem de entregar serviço para ‘não ficar devendo’ para Gisele

Heloísa Scognamiglio , O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2021 | 05h00

A modelo Gisele Bündchen assinou um contrato de dois anos para ser a garota-propaganda do C6 Bank. A primeira campanha nacional de Gisele para a marca começa a ser veiculada nesta quinta-feira, 12, e celebra a marca de 10 milhões de clientes alcançada pelo banco digital. A aposta do banco se concentra em “colar” sua imagem na credibilidade da modelo, de acordo com Alexandra Pain, líder de marketing do C6.

Criado por ex-executivos do banco BTG, o C6 Bank atingiu 10 milhões de clientes neste mês, quando também completou dois anos de atuação. Além de estrelar o filme publicitário que celebra essa conquista, Gisele será a nova representante da plataforma de investimentos do C6 Bank, a C6 Invest, em outra campanha que trará o mesmo tema de verdade e transparência. “Só neste semestre, serão três filmes com a Gisele”, diz a executiva. 

A chegada de Gisele coincide com a mudança de patamar do porte do banco digital. O americano JP Morgan comprou, há cerca de dois meses, uma participação de 40% no C6, voltando a atuar no setor de varejo bancário no País. O valor do negócio não foi revelado, mas o Estadão apurou que o aporte foi de R$ 10 bilhões, o que avaliaria o C6 Bank como um todo em R$ 25 bilhões.

As duas campanhas com a participação de Gisele foram criadas pela agência Tech and Soul e serão veiculadas em meios digitais, televisão aberta e por assinatura, rádio, mídia impressa, mobiliários urbanos e cinemas. “Não tem nenhuma pirotecnia. Ela não está na passarela, é ela falando sobre verdade e transparência”, explica a executiva do C6. Gisele deve estrelar outras campanhas e ações do C6 Bank enquanto durar seu contrato. 

A estratégia de marketing do C6 Bank, segundo Alexandra, é posicionar o banco como uma marca de “estilo de vida”. O banco visa a cativar um público de alta renda sem deixar de lado aqueles de renda mais baixa, mantendo medidas como a ausência de cobrança de taxas em produtos básicos, por acreditar que esse público também quer ter acesso a um banco de alto padrão. “Temos oferta para todos os segmentos. E também trabalhamos bastante o ‘estilo de vida’, que também tem uma conexão com a moda.” 

Escolha ‘inteligente e corajosa’

Para Jaime Troiano, especialista em branding (gestão de marca) e comportamento do consumidor, a escolha do C6 Bank por Gisele é inteligente e corajosa. Segundo ele, a modelo agrega diversos traços de sua identidade à campanha, como seriedade, prestígio e preocupação com causas sociais e ambientais. “A Gisele é transparente, nós sabemos no que ela acredita. Ela é reconhecida internacionalmente, algo muito valorizado no Brasil, e também tem muito cuidado com a escolha de qual marca representar”, enumera. 

Troiano também afirma que, ao contrário de celebridades que surgem e ganham fama muito rapidamente, Gisele não traz riscos de problemas de reputação em um futuro próximo. “Ela já está comprovadamente em um patamar de consistência e estabilidade, então o banco pode confiar nela para mais um, dois, três, quatro anos”, diz. 

“Mas também é uma escolha corajosa porque, quando uma marca escolhe um representante, os atributos de identidade dessa pessoa têm que se encaixar autenticamente naquilo que aquela marca é. O C6 Bank terá de ser inspirado, para valer, nesses princípios de identidade da própria Gisele. O banco não pode ficar ‘devendo’ para a Gisele”, acrescenta o especialista.

Para Troiano, a modelo se encaixa com a estratégia de posicionamento de marca do banco digital, pois ela traz sofisticação e, ao mesmo tempo, é familiar. “A Gisele fala de igual para igual com pessoas de diversos níveis sociais. Não há ninguém de alta renda que torça o nariz quando falamos da Gisele, e ninguém de baixa renda que ache a Gisele uma figura elitista a ponto de ser intocável.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.