Keystone/Laurente Gillieron/AP
Keystone/Laurente Gillieron/AP

Em Davos, empresários mostram confiança cautelosa, apostando em Bric

Fórum Econômico Mundial, nos Alpes Suíços, reunirá durante 4 dias ao menos 35 líderes nacionais e mais de 1.400 executivos de alto escalão

Reuters,

26 de janeiro de 2011 | 09h00

Organizadores e presidentes-executivos mostraram uma confiança cautelosa sobre a economia global na abertura do Fórum Econômico Mundial nesta quarta-feira, 26, apontando uma série de riscos que ainda poderiam atrapalhar a recuperação econômica.

Klaus Schwab, que preside a reunião anual de executivos e políticos em Davos, destacou as oportunidades em países emergentes, enquanto uma pesquisa de confiança dos CEOs no evento mostrou que o otimismo está quase de volta aos níveis pré-crise.

O evento de quatro dias nos Alpes Suíços reúne ao menos 35 líderes nacionais e mais de 1.400 executivos de alto escalão.

"Há muitas oportunidades com os novos motores de crescimento do mundo", afirmou Schwab. "Nós nunca tivemos tantos representantes do Bric ... eles estão representados aqui com força total."

O tema oficial da reunião, "Normas Compartilhadas para a Nova Realidade", reflete um desejo de garantir que as novas potências partilhem os valores das potências tradicionais.

Apesar das perspectivas otimistas para os emergentes, os participantes do fórum devem discutir ameaças complexas que a economia mundial enfrenta, além de lançar uma rede de risco global para ajudar empresas, governos e organizações internacionais a se prepararem melhor.

A PricewaterhouseCoopers informou que 48% dos 1.201 CEOs consultados estavam "muito confiantes" sobre crescimento de receitas nos próximos 12 meses - perto do nível de 50% atingido em janeiro de 2008 e bem acima da taxa de 31% vista há um ano.

"Eu acho que as empresas ainda estão incertas", disse Martin Sorrell, diretor-executivo do grupo publicitário WPP, à sessão de abertura do fórum.

"Nossos negócios cresceram ano passado, especialmente por causa dessa incerteza: uma indisposição do Ocidente para investir em capacidade, em aumentar o custo fixo. Os conselhos estão com medo de errar."

(Por Paul Carrel; reportagem adicional de Ben Hirschler)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.