CAMPINAS/SP ECONOMIA NEGOCIOS CPFL FACHADA FOTO DIVULGACAO
CAMPINAS/SP ECONOMIA NEGOCIOS CPFL FACHADA FOTO DIVULGACAO

Chinesa responde reclamação dos minoritários da CPFL Renováveis à CVM

State Grid, que comprou a CPFL Energia, elevou em junho de R$ 12,20 para R$ 13,81 oferta pela ações da CPFL Renováveis; acionistas contestam valor

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2018 | 17h03

Cinco dias depois de os minoritários da CPFL Renováveis protocolarem reclamação na CVM sobre a nova oferta pelas ações da empresa, os chineses da State Grid responderam às contestações. Em carta enviada à autarquia na tarde desta segunda-feira, 16, a companhia acusa os minoritários de oportunistas, que querem induzir a autarquia a erros e se baseiam em pleitos antigos.

+ Chinesa aumenta oferta pela CPFL Renováveis, mas briga deve continuar

“A reclamação deixa claro que os reclamantes não estão à procura de tratamento igualitário no âmbito da oferta muito menos do cumprimento da decisão do colegiado, mas sim de aproveitar a oportunidade da transação para tentar vender suas ações ao maior preço possível, mesmo que para isso tenham de induzir em erros essa autarquia  e buscar vantagens indevidas”, diz a chinesa na carta. 

+ Enel promete investir pesado na Eletropaulo

No fim de junho, a State Grid elevou de R$ 12,20 para R$ 13,81 o preço pelas ações da Renováveis – o que representa acréscimo de R$ 390 milhões ao preço original de quase R$ 3 bilhões. Na reclamação feita pelos minoritários semana passada, os acionistas questionam a forma como o preço foi recalculado pela chinesa e reclamam da demora do processo, que se arrasta desde 2016. 

Um dos argumentos usados para derrubar a revisão do preço feita no mês passado é que a State Grid teria tentado alterar os fundamentos da justificativa de preço original e usado informações financeiras selecionadas. A acusação é que a empresa não teria feito os cálculos com base no IFRS (normas contáveis internacionais), que consolida os números de todas as controladas da companhia.

A State Grid afirma que não houve mudança de narrativa por parte da ofertante, mas sim o aferfeiçoamento da redação original, “apenas e tão somente para refletir a verdadeira relevância dos métodos” usados. Sobre o IFRS, a chinesa afirmou que à época da transação, as únicas projeções elaboradas pelos conselhos de administração de ambas as companhias  eram as projeções gerenciais elaboradas pela administração das CPFL Energia e CPFL Renováveis. “Eram as únicas projeções imparciais e confiáveis”, diz a empresa na nota. 

Novela. A revisão do preço apresentada pela State Grid foi feita depois que o colegiado da CVM exigiu, no início de maio, ajustes nos cálculos. Na ocasião, a autarquia suspendeu a decisão de sua área técnica que definia preço mínimo de R$ 16,69 para a Oferta Pública de Ações (OPA) – o que significava algo em torno de R$ 1 bilhão a mais de desembolso da chinesa.

A State Grid foi responsável por uma das maiores transações do País em 2016, ao adquirir o Grupo CPFL Energia. Entre a compra do controle (da Camargo Corrêa) e das ações no mercado, a empresa desembolsou cerca de R$ 25 bilhões. O negócio também incluía a compra das ações da CPFL Renováveis, subsidiária do grupo de energia. Aí começou o conflito. 

A chinesa oferecia R$ 12,20 para adquirir a participação no mercado, bem abaixo dos R$ 25 oferecidos aos minoritários da holding. Os acionistas da Renováveis não aceitaram a proposta e entraram com uma reclamação na CVM, que em fevereiro deste ano decidiu a favor dos minoritários ao estipular um limite de R$ 16,69 para a oferta. Essa definição, no entanto, foi derrubada pelo colegiado da autarquia, que pediu novos cálculos para a State Grid.

Mais conteúdo sobre:
State GridCpfl

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.