Embraer acusará Airbus de receber subsídios

Empresa européia será questionada por causa dos programas de apoio a sua produção nos últimos 40 anos

Jamil Chade, do Estadão,

23 de julho de 2007 | 20h21

A Embraer acusará nesta terça-feira, 24, a Airbus de ter recebido subsídios ilegais que distorceram nos últimos anos o mercado da aviação civil. Em uma reunião na Organização Mundial do Comércio (OMC), a empresa européia será questionada por causa dos programas de apoio a sua produção nos últimos 40 anos. O caso foi iniciado pela americana Boeing, mas o Brasil decidiu se unir à disputa como terceira parte. Até o ano passado, a EADS, proprietária da Airbus, detinha 20% do capital da Embraer em conjunto com outras empresas européias.   O centro do debate será o benefício que a Airbus recebeu ao longo de anos para o lançamento de seus novos modelos de aviões. Para o governo americano, que quer a condenação das práticas pela OMC, a Airbus teria se beneficiado, direta e indiretamente, em até US$ 100 bilhões nas últimas décadas dos amplos subsídios dados pelos governos europeus.   Já a Airbus acusa a Boeing de ter recebido em dinheiro do governo americano cerca de US$ 23 bilhões. A disputa deve se arrastar ainda por meses. Mas, no caso da Embraer, técnicos estimam que os subsídios dados pelos europeus poderiam afetar a empresa, porque ela começa a produzir aeronaves praticamente do mesmo porte de alguns modelos da Airbus.   Pelos cálculos dos técnicos brasileiros, os subsídios da Airbus teriam dois efeitos: impossibilitar que a Embraer oferecesse seus aviões a companhias aéreas pelo mesmo preço e condições da Airbus e criar distorções no mercado que nem sequer permitiriam que a Embraer lançasse um produto que concorresse com a Airbus.   Argentina   Nesta terça, a OMC abre as investigações sobre a medida imposta pelo governo brasileiro contra as exportações de resina da Argentina. O Brasil aplica uma salvaguarda contra o produto argentino por acreditar que os argentinos, por meio da empresa americana Eastman, estavam exportando o produto a um preço inferior ao que praticavam internamente, o que seria caracterizado como dumping.   Os argentinos atacam e argumentam que sofreram prejuízos de quase US$ 200 milhões por causa das práticas brasileiras. Mas Buenos Aires alega que a barreira imposta apenas favorece as vendas da concorrente italiana M&G Fibras e Resinas, que controla cerca de 60% do mercado brasileiro.   Já a Eastman, a empresa na Argentina que quer o fim da barreira imposta pelo Brasil, atualmente ocupa a posição de líder no mercado mundial. Mas, com a barreira imposta pelo Brasil no início de 2005 de cerca de US$ 641 por tonelada, a Eastman foi excluída do mercado nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
EmbraerAirbus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.