Divulgação
Divulgação

Embraer anuncia novos pedidos, opções e intenções no total de US$ 1,48 bilhão

Entre os compradores, estão companhias da Indonésia e Japão; empresa brasileira também anunciou parceria com a Boeing na área militar

Fernando Nakagawa, enviado especial, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2016 | 10h14

FARNBOROUGH - A Embraer anunciou nesta segunda-feira, 11, novos pedidos de venda de aeronaves no primeiro dia da Farnborough Airshow em operações que, entre pedidos firmes, opções e intenções de compra, somam US$ 1,48 bilhão, conforme valor de tabela. Foram negociados modelos E190 e E195 da atual versão e da família E2. Entre os compradores, estão companhias da Indonésia e Japão, além de uma operadora de leasing e uma aérea de Israel que assinou carta de intenção de compra.

Em entrevista coletiva, a direção da companhia brasileira anunciou que a indonésia Kalstar assinou contrato para a compra de cinco aeronaves modelo 190 versão E2,  atualmente em desenvolvimento. O pedido prevê ainda a opção de compra de cinco outros modelos da mesma aeronave. Se forem confirmadas as opções, o pedido somará valor de US$ 582 milhões, segundo valor de tabela. O negócio será incluído na carteira de pedidos do terceiro trimestre.

Outra compra veio da Nordic Aviation Capital que assinou o pedido firme de quatro modelos 190 da atual versão em uma transação avaliada em US$ 199 milhões. Nesse caso, o pedido entra na carteira do segundo trimestre.

A Japan Airlines, por sua vez, anunciou a conversão da opção de um modelo E170 em compra firme do modelo 190 da atual versão, operação que tem valor de tabela de US$ 49,8 milhões. O modelo brasileiro começou a voar na subsidiária J-AIR em maio de 2016.

Já a aérea israelense Arkia assinou carta de intenção de compra firme de seis modelos 195 versão E2 com a opção para aquisição de outras quatro aeronaves do mesmo modelo. Se a opção for exercida plenamente, o pedido soma US$ 650 milhões, conforme o valor de tabela da empresa. 

Defesa. A Embraer e a Boeing fecharam parceria global para venda e suporte da aeronave militar KC-390. O jato de transporte militar fabricado pela Embraer terá suporte operacional da Boeing, e juntas as companhias explorarão novas oportunidades de negócio. Em 2012 havia sido informada intenção de comercializar conjuntamente a aeronave.

"A expansão do nosso relacionamento permitirá oferecer o melhor avião de transporte médio para os nossos clientes, ao mesmo tempo em que os mantêm respaldados pelo melhor serviço de suporte disponível", afirmou o presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança, Jackson Schneider, por meio de nota.

"O acordo de parceria entre Boeing e Embraer reúne duas empresas fortes e reforça o nosso compromisso de ampliar a oferta de serviços a aeronaves que não são produzidas pela Boeing", completou o presidente da Boeing Global Services and Support, Ed Dolanski, mencionando o alcance global da Boeing para flexibilidade e aproveitar as sinergias "que ajudam a reduzir custos e repassar esta economia aos clientes".

O avião, que nasceu de um projeto da Força Aérea Brasileira (FAB), fez seu primeiro voo do protótipo em fevereiro de 2015 e outros dois estão atualmente em campanha de testes, em turnê por oito países. A Embraer informa que espera receber a certificação até o final de 2017 e que a expectativa é que as entregas comecem durante o primeiro semestre de 2018.

Resultados. Ao longo do segundo trimestre, a Embraer entregou 26 jatos para o mercado de aviação comercial - sendo 21 do modelo E175, quatro de E190 e um E195 - e outros 26 para aviação executiva, dos quais 23 leves e três grandes. Ao final de junho, a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) somava US$ 21,9 bilhões. No acumulado do ano, são 47 entregas no segmento comercial e 49 na executiva, para um total de 96 aeronaves.

A companhia destaca que no período ocorreu o primeiro voo do E190-E2, em 23 de maio, "apenas três meses após a cerimônia de apresentação (rollout) da aeronave, no final de fevereiro, e antes da data inicialmente estipulada", afirma em comunicado. Quanto aos novos contratos no segundo trimestre, a Embraer ressalta o pedido firme com a Horizon Air para 30 jatos E175 com opções de compra para outros 33, no valor de US$ 2,8 bilhões, preço lista, se todas as opções forem exercidas; e mais as estreias de E-Jets no Japão e Portugal.

No segmento de aviação executiva, a companhia cita o pedido firme da Across, do México, para 23 jatos, sendo oito Legacy 500, oito Phenom 300 e sete Phenom 100E, com valor estimado de US$ 260 milhões.  (COM INFORMAÇÕES DE LUANA PAVANI, DE SÃO PAULO)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.