Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Embraer e Boeing correm para apresentar proposta ao governo até o fim do ano

Empresas precisam apresentar o documento ao governo entre outubro e novembro, antes do novo mandato, para ser votado por conselheiro em abril; negociação só deve ser concluída em 2019

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 12h15

Após o anúncio de avanço nas negociações da venda de 80% da área de jatos comerciais da Embraer para a Boeing, as duas empresas têm pressa para avançar nas definições dos detalhes do contrato. Elas precisam apresentar o documento ao governo antes da mudança presidencial, para que as conversas não tenham de ser reiniciadas com o novo governo eleito.

+ Ação da Embraer cai mais de 9% após anúncio de acordo com a Boeing

O cronograma prevê que o documento seja entregue entre outubro e novembro e que o negócio seja votado pelos conselheiros da Embraer nas primeiras semanas de dezembro, disse o presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva. 

"Nosso cronograma é apresentar essa transação para o governo do Brasil no fim de outubro ou começo de novembro. (O cronograma) exige a aprovação final da nossa assembleia no começo de dezembro. Tudo seria ainda com essa administração (federal)", afirmou o executivo em conferência com investidores.

+ Governo condicionou aval à parceria entre Boeing e Embraer à preservação de empregos

O acordo, porém, não deverá ser concluído ainda neste ano. A implementação do projeto dependerá também do aval dos órgãos reguladores nacionais e internacionais. As empresas estimam que a conclusão ocorrerá apenas no fim de 2019. 

As conversas entre as duas empresas são intensas desde outubro do ano passado, quando a europeia Airbus surpreendeu o  mercado ao anunciar a compra de 50,1% do programa de jatos comerciais da canadense Bombardier, que concorre diretamente com a Embraer.

Embraer e Bombardier são fabricantes de aviões de médio porte, com capacidade entre 100 e 150 passageiros. As duas atuam, sobretudo, em um segmento em que Boeing e Airbus não tem expertise. As gigantes são especializadas em aeronaves de grande porte.

Como os produtos da brasileira e da americana são complementares, o negócio era considerado essencial pela Boeing poder brigar no mercado internacional após a parceria entre Bombardier e Airbus.

 

Mais conteúdo sobre:
Embraer Boeing Bombardier

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.