Embraer está atenta a motores econômicos e olha novos mercados

'Olhamos a motorização como a coisa certa para se manter a liderança no segmento de até 120 assentos', diz o presidente da empresa

Michelly Chaves Teixeira, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 13h15

O presidente da Embraer, Frederico Curado, disse que a empresa não ficará alheia à chegada de motores mais eficientes e que ofereçam economia de combustível. "Nossos E-Jets são novos, mas não podemos ficar indiferentes à disponibilidade de motores mais econômicos", afirmou a analistas, em teleconferência.

 

Ele reconheceu que está conversando com fabricantes de motores. "Olhamos a motorização como a coisa certa para se manter a liderança no segmento de até 120 assentos", observou. Contudo, Curado ressaltou que, se a Embraer vier a lançar aviões com nova motorização, estes também deverão exibir melhorias tecnológicas.

 

Além disso, o executivo destacou que a companhia está monitorando o mercado acima do que hoje explora com o modelo 195, de até 122 assentos. Mas para dar esse passo, ponderou Curado, há que ter uma vantagem em relação a seus concorrentes. "Entrar em um segmento superior, com um avião maior, sem ter um diferencial competitivo é excesso de risco, pois a concorrência trabalha com produtos sólidos e com uma base de clientes extraordinária", afirmou.

 

Perspectivas

 

Ao analistas, o presidente da Embraer comemorou a melhora de alguns indicadoras da aviação, como a menor estimativa de prejuízo da companhias aéreas e a desaceleração das vendas de jatos usados. Porém, ele alertou que a Embraer ainda tem uma "visão cautelosa", principalmente quando o assunto é aviação comercial.

 

"Embora o problema esteja menor do que antes, a oferta de crédito para o financiamento de novas aeronaves ainda não foi normalizada e a indústria trabalha com grandes volumes de backlog (carteiras de pedidos firmes de aeronaves)", resumiu. Conforme o executivo, "existe a preocupação de a capacidade das companhias aéreas ser maior do que a demanda" dos passageiros por voos, mesmo considerando o ritmo forte de mercados como Brasil e China. "É um cenário bem melhor do que o de 2009, mas não de plena recuperação em que os problemas foram todos ultrapassados", destacou.

 

Na aviação executiva, de acordo com o executivo, a situação "não é muito diferente". Ele disse que há sinais de melhora, como desaceleração da venda de seminovos, no entanto, a recuperação "é bastante suave" comparada à "exuberância" de 2008. "Mas estamos trazendo produtos novos a cada ano e isso leva a um aumento de participação de mercado", contrapôs.

 

Na área de defesa e governo, a Embraer quer continuar aproveitando "o bom momento do Brasil", não só pela maior disponibilidade orçamentária do País, mas por seu posicionamento geopolítico fortalecido. "Essa clara ascensão do Brasil no cenário mundial ajuda na exportação de material de defesa. Tivemos sucesso nas vendas do modelo Super Tucano e esperamos ter outros contratos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.