Embraer fecha contrato de US$ 177,5 mi com a Oman Air

Presidente da empresa brasileira nega que companhia vai abandonar a produção do modelo 145, de 50 assentos

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

17 de novembro de 2009 | 07h52

A Embraer anunciou nesta terça-feira, 17, o fechamento de um contrato de US$ 177,5 milhões com a Oman Air para fornecimento de cinco aeronaves, com a primeira entrega prevista para 2011. O contrato inclui direito de compra de outras cinco aeronaves, afirmaram ambas companhias em entrevista concedida no Dubai Air show.

 

O presidente da Embraer, Frederico Curado, também negou que a Embraer está prestes a interromper a produção do jato ERJ-145 de 50 assentos. "Não deixaremos de produzir o aparelho mesmo que tenhamos pouca demanda", afirmou. Ele acrescentou que a companhia ainda não decidiu se fabricará uma aeronave maior, de 120 lugares, na China. "Eu diria que por volta dos próximos seis meses deveremos decidir sobre isso."

 

Curado disse que o Oriente Médio é uma região "chave" para sua companhia e que há grande demanda para viagens locais na região. Nossa intenção no Oriente Médio é nos tornarmos maiores e maiores, disse. "Há uma estrutura de viagens regionais relativamente subdesenvolvida e à medida que a regulação na região torna-se menos rígida, acredito que haverá forte demanda por viagens locais", afirmou.

 

Curado acrescentou que a Embraer está "conversando constantemente" com potenciais clientes no Oriente Médio sobre encomendas por suas aeronaves. Os atuais clientes da companhia na região incluem a Saudi Arabian Airlines, a EgyptAir e a Royal Jordanian.

 

O presidente da Oman Air, Peter Hill, acrescentou que a companhia de serviços aéreos está desenvolvendo quatro novos aeroportos em Oman, que devem ser concluídos entre 2012 e 2013. A Oman Air também trabalha em novas rotas para o Irã e para países do mediterrâneo oriental. As informações são da Dow Jones.

(com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASEMBRAEROMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.