SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Embraer fecha venda de 22 aeronaves para a chinesa Tianjin Airlines por US$ 1,1 bilhão

Acordo entre as duas empresas para 40 aviões havia sido anunciado durante visita de Estado do presidente chinês Xi Jinping ao Brasil

Fátima Laranjeira , O Estado de S. Paulo

19 Maio 2015 | 13h32

SÃO PAULO - A Embraer e a chinesa Tianjin Airlines, subsidiária do Grupo HNA, assinaram nesta terça-feira, 19, acordo final para a venda de 22 aeronaves. O contrato, com valor estimado em US$ 1,1 bilhão pelo atual preço de lista, compreende 20 E195 e dois E190-E2, o que tornou o Grupo HNA Tianjin Airlines a primeira companhia aérea chinesa a adquirir os E-Jets E2. 

O acordo entre as duas empresas para 40 aviões havia sido previamente anunciado durante a visita de Estado do presidente chinês Xi Jinping ao Brasil, em julho de 2014. Segundo a empresa brasileira, os 18 jatos E190-E2 restantes farão parte de uma segunda aprovação das autoridades chinesas em fase posterior.  


O primeiro E195 será entregue em 2015, e o primeiro E190-E2 tem entrega programada para 2018. Este pedido será incorporado à carteira de pedidos firmes (backlog) da Embraer do segundo trimestre de 2015.  

De acordo com a Embraer, a Tianjin foi o cliente-lançador do E190 na China e opera a maior frota de E-Jets na Ásia, com 50 jatos E190. Também foi a primeira empresa chinesa apontada como Centro de Serviço Autorizado pela Embraer no país.

Azul.  Deve ser assinado hoje, no Palácio do Planalto, um contrato de financiamento de leasing operacional entre a Azul Linhas Aéreas e o Industrial and Commercial Bank of China (ICBC). O texto, obtido com exclusividade pelo Broadcast, serviço de informações da Agência Estado, era dado como negociado pelas autoridades brasileiras ontem à noite, mas ainda não foi oficializado.

O documento prevê o leasing de oito aeronaves. O contrato faz parte de uma série de atos que serão assinados durante a viagem de Li Keqiang, primeiro ministro da China, e mais 150 empresários ao Brasil. (Com informações de Victor Martins, Ricardo Della Coletta e Rafael Moraes Moura)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.