Embraer pode vencer licitação nos EUA

Embraer pode vencer licitação nos EUA

 A Embraer deve ficar sozinha na competição com seu A-29 Super Tucano para fornecer aviões leves para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos

Luciana Antonello Xavier, correspondente de O Estado de S. Paulo,

23 de novembro de 2011 | 20h41

A Embraer deve ficar sozinha na competição com seu A-29 Super Tucano para fornecer aviões leves para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Isso porque a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF, na sigla em inglês) eliminou, na semana passada, o avião AT-6 Texan II, da americana Hawker Beechcraft, da disputa para o programa Light Air Support (LAS), do Departamento de Defesa, para fornecer inicialmente 20 unidades para serem usadas no Afeganistão, segundo informações de sites especializados.

Procurada pela Agência Estado, a Embraer confirma a informação, mas diz que não comenta o assunto. A empresa informou também que não foi oficialmente notificada da decisão pela USAF.

O resultado da licitação era esperado para julho deste ano, mas até agora não saiu e não existe nova previsão. O valor do contrato é de até US$ 950 milhões, com potencial para fornecimento de até 55 aeronaves para o programa LAS, com previsão de início de entrega em 2013.

O modelo de avião Super Tucano, que é fabricado desde 2003 e já foi vendido para sete países, é voltado para operações de "guerra irregular", como é o caso dos combates às guerrilhas na Colômbia e Afeganistão. Se vencer a disputa, a fornecerá os aviões em parceria com uma empresa americana, a Sierra Nevada para fornecimento de serviços, como treinamento.

O único obstáculo da Embraer poderá ser a investigação que está sendo conduzida em sigilo pela Securities and Exchange Comission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos), por possível descumprimento das leis contra prática de corrupção no Exterior. Se condenada, a empresa pode ser impedida de fazer negócios com o governo americano. 

Tudo o que sabemos sobre:
EmbraerdefesaEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.