Embraer prevê 1.500 entregas de jatos na Ásia-Pacífico

A Embraer Aviação Comercial prevê que as companhias aéreas da região Ásia-Pacífico, incluindo a China, vão receber cerca de 1.500 novos jatos no segmento de 70 a 130 assentos nos próximos 20 anos (o equivalente a US$ 70 bilhões, a preços de lista), de acordo com comunicado divulgado nesta quarta-feira , 12, pela fabricante brasileira de aviões. Essa quantidade representa aproximadamente 20% da demanda mundial para o segmento no período.

EULINA OLIVEIRA, Agencia Estado

12 de fevereiro de 2014 | 08h21

Ainda segundo a nota da Embraer, das novas entregas na região, 65% são esperadas para apoiar o crescimento do mercado, enquanto 35% substituirão aeronaves antigas que serão aposentadas. "O mercado da Ásia-Pacífico se tornará mais rico, competitivo e liberal, estimulando ainda mais as companhias aéreas a buscar aumento de eficiência, diferenciação de marca e melhores níveis de serviço", diz a companhia. "Neste contexto, o segmento de jatos de 70 a 130 assentos desempenhará um papel fundamental para apoiar o desenvolvimento intraregional na Ásia-Pacífico", acrescenta.

A empresa diz ainda que sua família de E-Jets registrou mais de 1.400 encomendas e mais de 1.000 entregas até a presente data, operando com 65 clientes em 45 países. No segmento de 70 a 130 assentos, a Embraer tem uma participação global de 51% nas encomendas e 62% das entregas desde 2004. Também de acordo com o comunicado, na Ásia-Pacífico, a companhia possui mais de 80% de participação de mercado em seu segmento, com cerca de 150 E-Jets entregues para 10 operadores de seis países na região.

Tudo o que sabemos sobre:
EmbraerÁsia-Pacífico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.