Divulgação
Divulgação

Embraer reverte prejuízo e registra lucro de R$ 385,7 milhões no 1º trimestre

Aviação comercial ficou com a maior fatia de receita líquida no primeiro trimestre de 2016, com participação de 54,5%; no período, a empresa entregou 21 aeronaves comerciais

Victor Aguiar, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2016 | 08h35

SÃO PAULO - A Embraer encerrou o primeiro trimestre de 2016 com lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 385,7 milhões, revertendo o resultado negativo de R$ 196,1 milhões apurado no mesmo período do ano passado.

Já no critério ajustado, excluindo o imposto de renda e a contribuição social diferidos no período, a Embraer contabilizou prejuízo líquido de R$ 5,7 milhões entre janeiro e março de 2016. No mesmo intervalo do ano passado, a companhia registrou lucro líquido ajustado de R$ 131,1 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) somou R$ 643,8 milhões nos três primeiros meses de 2016, uma alta de 50% ante os R$ 429 milhões registrados um ano antes. A margem Ebitda caiu para 12,8%, ante margem Ebitda de 14% registrada no primeiro trimestre de 2015.

O resultado operacional (Ebit) somou R$ 324,9 milhões, alta de 41,9% ante o registrado no mesmo período do ano passado. A margem Ebit recuou para 6,4%, ante 7,5% do ano anterior.

As receitas líquidas cresceram 64,5% entre janeiro e março de 2016, para R$ 5,048 bilhões, ante R$ 3,068 bilhões registrados um ano antes.

Segmentos. Na análise por segmento de negócios da Embraer, o de Aviação Comercial ficou com a maior fatia de receita líquida no primeiro trimestre de 2016. A unidade teve participação de 54,5% no total das receitas, com R$ 2,751 bilhões, alta de 42,7% ante R$ 1,928 bilhão do mesmo período de 2015.

No entanto, a representatividade do segmento na composição da receita líquida da Embraer diminuiu, uma vez que, nos três primeiros meses do ano passado, a Aviação Comercial era responsável por 62,8%.

No primeiro trimestre de 2016, a Embraer entregou 21 aeronaves comerciais, sendo 19 do tipo E175 e outras duas do modelo E195. Nos primeiros três meses de 2015, foram entregues 20 aeronaves comerciais, todas do tipo E175.

Em relação ao segmento comercial, a companhia destaca que, em janeiro, a Austrian Airlines lançou voos regulares com o jato E195 a partir de Viena para vários destinos da Europa Central, e que a companhia aérea está incorporando 17 jatos usados do modelo E195 à frota.

A Embraer ainda ressalta que, em fevereiro, anunciou um acordo de longo prazo com a Colorful Guizhou, da China, para o programa pool de peças de reposição. "Este é o primeiro contrato relativo a esse programa que a empresa assina para a aviação comercial na China", diz no informe de resultados.

O segmento de Aviação Executiva, por sua vez, foi responsável por uma fatia de 30,3% da receita da Embraer no primeiro trimestre de 2016, com uma cifra de R$ 1,53 bilhão, montante 3,14 vezes maior que os R$ 487,7 milhões do mesmo período de 2015. Entre janeiro e março de 2015, respondia por 16% da receita da companhia. Foram entregues no primeiro trimestre de 2016 12 jatos leves e 11 jatos grandes, totalizando 23 aeronaves no segmento, ao passo que no mesmo intervalo do ano passado ocorreu a entrega de dez leves e dois grandes.

Já o segmento de Defesa & Segurança ficou com 14,7% da receita líquida total da Embraer entre janeiro e março, com R$ 739,4 milhões, uma alta de 20,3% ante a cifra do mesmo intervalo de 2015, de R$ 614,8 milhões. Nos primeiros três meses de 2015, a participação do segmento de Defesa & Segurança na receita da Embraer era de 20%. A Embraer lembra que em fevereiro o jato Phenom 100 foi selecionado para realizar o treinamento dos pilotos das forças armadas do Reino Unido em aeronaves multimotor. Quanto ao KC-390, a companhia afirma que a segunda aeronave protótipo saiu da linha de montagem e iniciou a campanha de ensaios em solo, com o primeiro voo programado para o segundo trimestre de 2016.

Tudo o que sabemos sobre:
EmbraerAviaçãoEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.