Embrapa: prioridade em 2005 será pesquisa sobre biocombustíveis

Brasília, 22 - O presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Clayton Campanhola, afirmou hoje que a prioridade da estatal para 2005 é o desenvolvimento de pesquisas que permitam a ampliação da produção de biocombustíveis no País. "Vamos buscar parcerias e apoiar as iniciativas já existentes, com ênfase para o aumento da tecnologia empregada", comentou. A produção de cana-de-açúcar está concentrada na região Centro-Sul do País, com colheita de 330 milhões de toneladas na safra 2004/05. Mas Campanhola contou que há experiências de plantio em outras regiões, como no sul do Maranhão e no sul do Piauí. "Como o padrão tecnológico é baixo, a produção não avança. Com orientação técnica, podemos reverter esse cenário", completou. Ele disse que a idéia é enviar técnicos da Embrapa para essas e outras regiões para orientar os produtores. O governo deve autorizar o uso comercial de biodiesel no Brasil a partir do início de 2005, alternativa para reduzir a dependência de derivados do petróleo. Estabelecida a prioridade, Campanhola disse que a proposta é dar seqüência às pesquisas que permitam o incremento do cultivo de mamona na região Nordeste e de dendê no Norte do País. No caso da mamona, o desafio da Embrapa é desenvolver variedades que permitam a elevação do teor de óleo das sementes de mamona para 60%. Hoje, o índice é muito inferior a esse. Ao comentar as metas para 2005, ele disse que serão intensificadas as pesquisas na área de biotecnologia, que vai desde a clonagem de animais, seqüenciamento genético (genoma) e transgenia. "É errado afirmar que os transgênicos beneficiam apenas os grandes agricultores", afirmou. Ele citou a pesquisa com feijão transgênico resistente ao mosaico dourado, doença que ataca as lavouras e pode causar até 100% de perda na produção. "Feijão é uma cultura típica de pequeno agricultor", comentou. Além do feijão, a Embrapa conseguiu autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para pesquisa de campo com mamão e batata geneticamente modificada. Fugindo de polêmica, Campanhola disse que os parlamentares poderão definir o marco regulatório ideal para a biotecnologia. O Projeto de Lei de Biossegurança passou pelo Senado e voltou para a Câmara dos Deputados. Ele disse que o orçamento geral da Embrapa deve ser 10% maior em 2005. A proposta está em análise no Congresso Nacional. Em 2004, a Embrapa teve caixa de R$ 822 milhões, montante destinado ao pagamento de funcionários, manutenção das unidades e pesquisas. Cerca de 65% desse total vai para despesas com pessoal. No que diz respeito a dinheiro, a prioridade é fechar parcerias com outros ministérios. A Embrapa é vinculada ao Ministério da Agricultura. Como exemplo, Campanhola citou protocolo de intenções assinado hoje pelo órgão e pelos ministérios da Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento Agrário. O termo prevê R$ 5 milhões, repassados para a Embrapa, para apoiar o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar garantindo a inclusão social dos trabalhadores. "Os pequenos agricultores poderão incorporar tecnologias que foram geradas pela Embrapa", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.