Embratel e Oi: melhores propostas em pregão de banda larga para o SUS

Corrigido às 14h35. A Embratel e a Oi foram as empresas de telecomunicação que apresentaram as melhores propostas no pregão eletrônico para fornecer serviço de internet banda larga para Unidades Básicas de Saúde (UBS) no País, revelou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, na manhã desta sexta-feira, 29. De acordo com Padilha, o pregão ocorreu na quinta-feira, 28, e as empresas têm até segunda-feira, 2, para detalhar o plano de trabalho e homologar as propostas.

BEATRIZ BULLA E LUCIANO BOTTINI FILHO, Agencia Estado

29 de novembro de 2013 | 13h00

Na conexão por via terrestre, as melhores propostas foram da Embratel e da Oi. Já na solução por satélite, a melhor proposta foi da Embratel. "Todos os municípios que tiverem postos de saúde que já participam do Programa de Qualidade na Atenção Básica vão receber do Ministério da Saúde a garantia do acesso a banda larga", afirmou Padilha, ao deixar reunião com cerca de 60 empresários da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), no escritório da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em São Paulo.

Padilha ressaltou que a iniciativa é uma parceria com o Ministério das Comunicações e vai exigir investimento de R$ 80 milhões por ano.

A estimativa é que os contratos, que só serão homologados após apresentação da proposta detalhada, tenham duração de três anos para a conexão terrestre e quatro anos para conexão via satélite.

Com a banda larga, o governo pretende melhorar a organização de informações nos postos de saúde com ferramentas como prontuário eletrônico. Além disso, as UBS vão enviar online informações sobre internações, atendimentos e cirurgias para o bancos de dados do Sistema Único de Saúde (SUS).

Os contratos de conexões terrestres terão prazo de três anos e os de conexão via satélite, de quatro anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.