Empregados da Thyssen pedem ação contra 'cartéis' de matérias-primas

Comunicado foi emitido enquanto as três grandes mineradoras globais - Vale, BHP Billiton e Rio Tinto - negociam venda de minério na Ásia

Danielle Chaves, da Agência Estado,

30 de março de 2010 | 09h43

Representantes dos funcionários da ThyssenKrupp, a maior siderúrgica da Alemanha em produção, criticaram a especulação com matérias-primas e pediram uma atitude contra os cartéis de matérias-primas, à medida que as produtoras de minério de ferro e carvão de coque pressionam por drásticos aumentos de preços para esses ingredientes, fundamentais para produção de aço.

 

Em um comunicado escrito, o conselho de trabalhadores da ThyssenKrupp Steel Europe - unidade europeia de siderurgia da companhia alemã - pediu um fim à especulação com matérias-primas, bem como a promoção de uma competição justa e uma ação consistente "contra os cartéis de matérias-primas".

 

O conselho de trabalhadores fará uma coletiva de imprensa na quinta-feira, 2, em Duisburg, Alemanha, onde o representante trabalhista, Wilhelm Segerath, vai falar sobre a posição do conselho em relação à "situação urgente dos mercados de matérias-primas".

 

O comunicado foi emitido enquanto as três grandes mineradoras globais - Vale, BHP Billiton e Rio Tinto - negociam os contratos para venda de minério de ferro e carvão de coque com seus clientes da Ásia. O desenrolar dessas negociações são considerados referência e geralmente são adotados por outras siderúrgicas de todo o mundo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.