Hannah McKay/Reuters - 12/10/2021
Hannah McKay/Reuters - 12/10/2021

Empresa britânica vai levantar quase US$ 400 milhões para encher o céu de táxis voadores

A Vertical Aerospace já recebeu encomenda de mais de mil aeronaves do tipo eVTOL, incluindo unidades para a brasileira Gol; voos de teste devem começar no início de 2022

Reuters

13 de outubro de 2021 | 16h40

LONDRES - Cansado de congestionamentos? Imagine um mundo onde um táxi percorre os céus e pousa no topo de um prédios para recarregar. Essa é a visão de Stephen Fitzpatrick, presidente executivo da britânica Vertical Aerospace, que afirma que a aeronave de sua companhia estará voando em meados desta década.

Ele não está sozinho. Alguns conhecidos especialistas em aviação acreditam que a Vertical está a caminho de tornar realidade seu plano de uma aeronave com zero emissão de carbono e capaz de transportar quase que silenciosamente quatro passageiros por uma distância de até 200 quilômetros.

A empresa de Fitzpatrick vai levantar US$ 394 milhões em uma fusão com uma empresa de "cheque em branco" listada em Nova York. Os investidores na operação incluem American Airlines, Avolon, Honeywell e Rolls-Royce, além da unidade M12 da Microsoft. A transação deve ser concluída até o fim deste ano.

Empresas de “cheque em branco” não são operacionais. São conhecidas como Spac, sigla para Special Purpose Acquisition Company (veículo de propósito específico de aquisição). Trata-se de uma alternativa criada nos Estados Unidos para conectar investidores a companhias que buscam levantar recursos. A ponte é feita por meio de executivos com experiência e envolve um processo de fusão que resulta no ingresso da companhia-alvo na Bolsa.

Fitzpatrick diz que voos da Vertical do aeroporto Heathrow, em Londres, até o distrito financeiro da capital britânica levarão 15 minutos e custarão 50 libras, o equivalente a US$ 68 (cerca de R$ 375 na cotação desta quarta-feira, 13), por passageiro.

Esse potencial tem atraído a atenção das empresas aéreas. Mais de mil aeronaves do tipo eVTOL, popularmente apelidados de “carros voadores”, do modelo VA-X4 foram pré-encomendadas por clientes, incluindo a aérea brasileira Gol. O movimento ocorre enquanto companhias de aviação estão sob pressão de investidores defensores da descarbonização do setor.

Fitzpatrick teve a ideia dos táxis voadores em 2015, quando ficou horas preso no trânsito de São Paulo. Agora, analistas estimam que há mais de 100 empresas trabalhando em veículos elétricos de pouso e decolagem verticais, incluindo a Eve, da Embraer. O VA-X4 vai começar os voos de teste no início de 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.