Empresa holandesa é vítima colateral de escândalos no Brasil

Rival da SBM Offshore, que é investigada por corrupção, Arcadis vê receitas caírem e estuda maneira de se adaptar à 'nova realidade' brasileira

REUTERS

23 Abril 2015 | 07h18

Um recuo acentuado nas receitas provenientes do Brasil e contínuas quedas em seus mercados da América do Norte mantiveram o crescimento da receita bruta antes de aquisições da empresa holandesa de engenharia Arcadis em apenas 1% no primeiro trimestre.

O crescimento da companhia foi liderado pela demanda em recuperação na Europa, Oriente Médio e Ásia, mas a companhia foi atingida pelo escândalo de corrupção que atinge atualmente o setor de petróleo brasileiro.

A rival holandesa SBM Offshore está sendo investigada por autoridades brasileiras e pagou multas recordes por propinas. O escândalo levou a uma desaceleração das encomendas nacionais, o que motivou um declínio de 15% das atividades brasileiras da Arcadis.

O presidente-executivo da Arcadis, Ian McArthur, disse que a companhia precisa se ajustar a uma "nova realidade" no Brasil, tendo insistido que a Arcadis está posicionada no país no longo prazo.

"Uma queda de 15% é claramente um recuo sério, então ajustamos a capacidade dos projetos que temos atualmente e antecipamos ter", disse.

A companhia disse permanecer a caminho de atingir receita e lucro "significativamente" melhores em 2015, embora suas margens do primeiro trimestre tenham recuado, parcialmente por conta da aquisição da rival de menor porte Hyder no ano passado.

A receita bruta subiu 40% na comparação anual ajudada por aquisições, enquanto o crescimento orgânico da receita bruta ficou em 1%. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização subiu 35%, para 59,4 milhões de euros, superando levemente as previsões.

Mercados emergentes, incluindo o Brasil, responderam por 29% das receitas líquidas do ano passado.

(Por Thomas Escritt)

Mais conteúdo sobre:
EMPRESASARCADIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.