Empresa oferece avião-robô para mapear impacto de vazamento de óleo

Presidente da AGX Tecnologia explica que  o 'Vants' tem autonomia de 8 horas e poderia registrar o avanço das manchas até o litoral

Gustavo Porto, da Agência Estado,

28 de novembro de 2011 | 18h09

O presidente da empresa AGX Tecnologia, Adriano Kancelkis, afirmou nesta segunda-feira, 28, à Agência Estado, estar disposto a ceder um Veículo Aéreo Não Tripulado (Vant) e uma equipe de operação do avião-robô ao poder público para monitorar os impactos do vazamento de petróleo em uma plataforma da Chevron na Bacia de Campos. "Com a tecnologia é possível mapear o avanço de manchas até o litoral e verificar os impactos ambientais nas praias, por isso vamos oferecê-la ao governo de São Paulo e ao Ibama", disse Kancelkis.

O executivo lembra que a mesma tecnologia foi oferecida ao governo na tragédia da região serrana do Estado do Rio de Janeiro, no começo deste ano 2011, quando mais de 900 pessoas morreram após deslizamentos ocorridos por conta das chuvas. "Não fomos contatados pelo poder público na ocasião", lamentou. "Durante o resgate, houve a perda de um helicóptero Super Puma que auxiliava nas operações; felizmente não houve nada fatal", completou o empresário.

Os Vants têm autonomia de até oito horas, com uma velocidade de até 160 quilômetros por hora. Além de não arriscarem pilotos e tripulantes de aeronaves, os aviões-robôs possuem câmeras de monitoramento que mapeiam em tempo real e ainda fazem fotos e vídeos em alta definição da superfície. "É possível até fazer um mosaico fotográfico da superfície do mar e ter um mapa dos impactos do vazamento", afirmou Kancelkis.

Ainda de acordo com o empresário, como os Vants viajam sob as nuvens, o mapeamento seria possível mesmo em dias nublados. "A Nasa, por exemplo, informou que não conseguiu monitorar a mancha por alguns dias por conta do tempo fechado, o que não aconteceria se os Vants fossem utilizados", concluiu. Com sede em São Carlos (SP), a AGX desenvolveu a tecnologia dos Vants juntamente com o Instituto Nacional de Sistemas Embarcados Críticos (INCT-SEC) do Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP).

Tudo o que sabemos sobre:
robochevronAGX Tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.