Empresários estão menos otimistas com o Dia das Crianças

Segundo a Serasa Experian, parcela de comerciantes que esperam boas vendas na data diminuiu de 57% em 2010 para 54% neste ano

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

28 de setembro de 2011 | 19h16

Cerca de 53% dos empresários do ramo varejista do País preveem vendas no Dia da Criança superiores à mesma data do ano passado, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 28, pela Serasa Experian. Apesar do otimismo, este número é inferior ao apresentado no mesmo levantamento de 2010, quando 57% dos empresários estimavam vendas maiores na comparação com o Dia da Criança de 2009.

Na avaliação da Serasa, a redução da parcela de empresários otimistas com o aumento das vendas frente ao ano anterior ocorre pela piora no ambiente macroeconômico. "No ano passado, o País crescia vigorosamente. Este ano, a inflação, a recente valorização do dólar e as incertezas globais parecem sobrepor-se ao novo ciclo de queda dos juros no País", afirmou, em nota à imprensa.

Segundo a pesquisa, neste ano, 38% dos empresários preveem estabilidade nas vendas frente a 2010, enquanto há um ano essa expectativa era para 35% deles. Já o grupo que projeta vendas menores neste Dia da Criança em relação ao ano passado atinge 9% dos empresários, ante 8% para a mesma data de 2010 frente a 2009.

"Cabe destacar que o menor otimismo neste Dia da Criança é atenuado pelos (empresários) que acreditam que vão repetir o faturamento de 2010 (no total, 38% deles), isto porque foi uma data com bons resultados, em um ano mais favorável. Dessa forma, repetir 2010 é positivo", destacou a Serasa.

Os preços dos presentes deverão ficar em até R$ 50 para 42% das varejistas consultadas pela Serasa, enquanto para 39% delas ficarão entre R$ 51 e R$ 100, para 14% entre R$ 101 e R$ 200, para 3% entre R$ 201 e R$ 300 e para 2% acima de R$ 301. O tíquete médio neste ano deverá ficar em R$ 77.

Para as varejistas, 70% dos presentes serão brinquedos. Na sequência, aparecem celular e smartphone (9%), eletrônicos (7%), roupas, sapatos e acessórios (5%), jogos eletrônicos (5%), produtos de informática, como tablets, notebook e computadores (2%), chocolates e doces (1%) e artigos esportivos (1%).

Por porte de comércio, as grandes varejistas são as mais otimistas para o Dia da Criança de 2011, com 67% delas projetando faturamento superior a mesma data de 2010, seguida pelas médias (63%) e pelas pequenas empresas (53%).

Entre as regiões do País, a mais otimista é a Nordeste, com 59% dos empresários programando faturamento superior ao ano passado, seguido pelo Centro-Oeste (57%), Sudeste (55%), Sul (47%) e Norte (44%).

A pesquisa consultou 1.015 executivos do setor de comércio de todo o País, entre os dias 1º e 12 de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.