Empresas alemãs fazem fila para pedir ajuda ao governo

Empresas alemãs estão demonstrando grande interesse em ter acesso à ajuda do Estado que o governo disponibilizou dentro de seus dois pacotes de estímulo econômico, disse neste domingo um porta-voz do Ministério da Economia.

REUTERS

17 de maio de 2009 | 12h54

"Nem todo pedido leva a uma oferta concreta (de ajuda)", acrescentou o porta-voz.

Ele estava respondendo a um artigo publicado na revista Der Spiegel, segundo o qual um número crescente de empresas alemãs importantes vem demonstrando interesse em ter acesso aos 115 bilhões de euros (156 bilhões de dólares) de garantias e empréstimos que o governo reservou para elas dentro dos pacotes de estímulo.

A Der Spiegel disse que as montadoras Porsche e BMW indagaram ao banco estatal KfW sobre as condições para a obtenção de empréstimos governamentais. A Porsche se negou a comentar com quais bancos está em contato.

A BMW se negou a dar declarações. A montadora já declarou no passado que estava considerando a possibilidade de pedir garantias de empréstimos.

A Spiegel disse que a Hochtief, a maior construtora alemã, tinha pedido um empréstimo, mas a empresa negou que precise de assistência do Estado.

"A Hochtief não tem necessidade alguma de assistência financeira do Estado", disse um representante da empresa.

A Spiegel relatou ainda que a Heidelberger Druck, maior fabricante mundial de máquinas de impressão industriais, pediu 300 milhões de euros em empréstimos do governo e 400 milhões de euros em garantias e que os empréstimos e garantias foram autorizados na quarta-feira.

Não foi possível obter declarações imediatas da Heidelberger Druck.

Na sexta-feira a varejista alemã Arcandor, que tem dívidas grandes, anunciou que pretendia pedir ao governo 650 milhões de euros (885 milhões de dólares) em garantias de empréstimos e pedir um empréstimo ao banco estatal de desenvolvimento da Alemanha.

Os bancos com os quais a Arcandor trabalha visam enviar os pedidos até o final da próxima semana, disse a empresa.

A Reuters informou na quinta-feira que a Arcandor também deve solicitar entre 500 milhões e 700 milhões de euros em garantias de empréstimos do Estado e que também considera a possibilidade de pedir facilidades de crédito do governo.

Sob seus pacotes de estímulo, o governo disponibilizou até 75 bilhões de euros em garantias e 40 bilhões de euros em empréstimos.

O ministro da Economia, Karl-Theodor zu Guttenberg, disse ao jornal Welt am Sonntag que a assistência do Estado será vinculada a critérios claros e objetivos.

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASAJUDAGOVERNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.