Empresas assinam contratos de rodovias e miram Rodoanel

O governo Lula, por meio daAgência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), formalizounesta quinta-feira a concessão de 2,6 mil quilômetros derodovias federais em seis Estados, com a assinatura decontratos com as empresas BR-Vias e OHL do Brasil. As duas concessionárias, que venceram o leilão deconcessões em outubro, investirão 650 milhões de reais nosprimeiros seis meses para realizar os trabalhos iniciais deadministração e manutenção dos seis lotes de estradas leiloadosem outubro na segunda etapa do Programa Federal de ConcessõesRodoviárias. Em 25 anos de concessão, a OHL terá que investir um totalde 14,5 bilhões de reais nos cinco lotes que venceu, enquanto aBR-Vias, em seu único trecho, tem um compromisso de 1,5 bilhãode reais no período, segundo a ANTT. A próxima etapa do programa deve ocorrer até julho, com oleilão de 600 quilômetros de estradas na Bahia, cominvestimentos previstos de 2 bilhões de reais. Outras duasfases devem ocorrer dentro do processo de concessão: uma delasem novembro de 2008 e outra até abril de 2009. Para as empresas, o próximo foco agora é a licitação doRodoanel. Tanto a OHL quanto a BR-Vias afirmam que vãoparticipar do leilão do anel viário paulista, que temexpectativa de leilão para março. "Nós vamos participar sem dúvida da licitação do Rodoanel",disse Martus Tavares, presidente da BR-Vias, acrescentando queexistem conversas preliminares com outras companhias para aformação de uma parceria. "Ainda não temos um entendimento firmado. Mas por enquantosão só os três acionistas", relatou Martus. O consórcio éformado pelas empresas Splice, WTorre e Comporte. Ele afirmou ainda que tem apenas um "interesse preliminar"em licitações como a de rodovias federais da Bahia. "Só possoconfirmar interesse após conhecer o edital". Já a unidade brasileira da espanhola OHL anunciou que sesente atraída também outras concessões em São Paulo. "Eu considero atraentes não só o Rodoanel, mas as rodoviasDom Pedro, Airton Senna e Marechal Rondon", disse José CarlosFerreira de Oliveira Filho, presidente da OHL Brasil. NoRodoanel, a OHL pretende concorrer com um parceiro dos EstadosUnidos. Segundo o presidente da OHL, as obras nos seis trechoscomeçam assim que sair a autorização no Diário Oficial. "Algumacoisa pode começar na sexta-feira e até segunda-feira podemoster de 500 a 600 homens trabalhando em 44 frentes de trabalho",afirmou. A agência informou que, após a publicação dos contratos deconcessão no Diário Oficial da União, as concessionárias passama ser responsáveis pela administração e manutenção dos trechos.Cada empresa tem até seis meses para concluir os trabalhos deeliminação de problemas emergenciais, dotando a rodovia derequisitos de segurança e conforto. Após esses seis meses, começa a etapa de recuperação darodovia, junto com a cobrança de pedágio e a manutenção dostrechos concedidos. Os contratos assinados nesta quinta-feira correspondem atrechos das rodovias BR-153, BR-116, BR-101, BR-381 e BR 376. (Reportagem de Alberto Alerigi Jr. e Sérgio Spagnuolo)

REUTERS

14 de fevereiro de 2008 | 19h48

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASRODOVIASCONTRATOSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.