Pablo Martinez Monsivais/AP
Pablo Martinez Monsivais/AP

Empresas médias brasileiras buscam oportunidades nos EUA

Cerca de 20 empresas enviaram representantes para SelectUSA, evento criado por Obama para prospecção de negócios

Cláudia Trevisan, CORRESPONDENTE, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2016 | 08h38

WASHINGTON - Dono de uma trading de alimentos que exporta açaí para os EUA, Ivaldo Bastos decidiu colocar um pé no mercado local e investir em uma fábrica de pão de queijo, pão francês e salgadinhos típicos do Brasil. O empresário ainda não definiu onde a linha de produção será instalada e ontem buscava informações sobre incentivos concedidos pelos Estados na SelectUSA, um megaevento organizado pelo governo americano para atrair investimentos estrangeiros ao país.

Com 45 integrantes de poucos mais de 20 empresas, a delegação brasileira é a sétima maior da edição atual da conferência, criada há três anos. Como Bastos, quase todos representam empresas médias, que pretendem realizar investimento inicial de US$ 1 milhão a US$ 2 milhões, visto como o primeiro passo para a expansão na maior economia do mundo.

Além de entrar no mercado dos EUA, a empresa de tecnologia Duosystem pretende transformar o país em um polo de venda de serviços para países da América Latina, disse seu diretor Guilherme Alencar. Segundo ele, os Estados Unidos têm a vantagem de oferecer um ambiente regulatório seguro, elevado grau de proteção de propriedade intelectual e câmbio estável.

Com sede em Leme, no interior de São Paulo, a Orbi Chemical pretende usar a inovação para conquistar uma fatia do mercado americano. Seu gerente de Comércio Internacional, Leandro França, disse que a empresa é a única fabricante mundial de lubrificantes à base de óleo de soja -as demais usam petróleo. 

A Orbi ainda na fase de estudos e de adaptação dos produtos às exigências regulatórias do país. O objetivo é iniciar o investimento de US$ 1,5 milhão em 2017 e começar a produzir dentro de três anos. De acordo com França, a expansão internacional é uma questão de sobrevivência. “Os nossos concorrentes são grandes multinacionais e precisamos expandir nossa atuação para nos mantermos competitivos.”

Fabricante de materiais de plástico para aviões, a Plasmatec se prepara para investir em uma fábrica na Flórida para atender seu maior cliente, a Embraer.

O próprio Obama se encarregou ontem de apresentar os atrativos do país para investimentos estrangeiros. “Se você for escolher um lugar para começar a construir o próximo grande negócio ou serviço, você deve escolher os EUA”, disse em discurso a empresários de todo o mundo reunidos em Washington para o evento.

Segundo Obama, participantes das três edições anteriores da SelectUSA investiram US$ 10 bilhões em 35 Estados americanos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.