Encomendas bens duráveis nos EUA sobem 3,3% em setembro

Resultado foi impulsionado por um aumento nas encomendas de aeronaves e peças para aeronaves

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de outubro de 2010 | 10h57

A demanda por bens duráveis manufaturados nos EUA aumentou mais do que o esperado em setembro, impulsionada por um aumento nas encomendas de aeronaves e peças para aeronaves. As encomendas por bens duráveis subiram 3,3%, para o valor ajustado sazonalmente de US$ 199,16 bilhões, segundo o Departamento de Comércio - o maior aumento desde janeiro deste ano. Economistas ouvidos pela Dow Jones previam alta de 2,5%.

A volátil categoria de aeronaves civis e peças para aeronaves teve o crescimento mais forte nas encomendas, que mais do que dobraram para US$ 12,85 bilhões em setembro. O dado revisado de agosto apontou queda de 30,0%, depois da alta de 69,1% de julho.

As encomendas de equipamentos de transporte em geral cresceram 15,7%, para US$ 54,77 bilhões. Excluindo transportes, as encomendas de outros bens duráveis tiveram queda de 0,8%. As encomendas de bens de capital não ligados a defesa excluindo aeronaves - um medidor dos gastos de capital das empresas - diminuíram 0,6%. As encomendas de bens de capital ligados a defesa aumentaram 8,0%.

Os bens duráveis são produtos desenhados para durar ao menos três anos, como carros, móveis, máquinas e aparelhos domésticos. Entre janeiro e setembro, as novas encomendas de bens duráveis subiram 15%, em termos não ajustados, em comparação com o mesmo período de 2009.

O Departamento de Comércio revisou os números sobre encomendas de bens duráveis manufaturados de agosto para declínio de 1,0%, em vez da queda de 1,5% calculada anteriormente.

As encomendas não atendidas de bens duráveis manufaturados aumentaram 1,0% em setembro, o sexto ganho consecutivo. Os embarques de bens duráveis manufaturados caíram 0,4% e os estoques subiram 0,5%, o nono mês seguido de alta.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
bens duráveisEUAaeronave

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.