Divulgação
Divulgação

Endeavor seleciona duas empresas brasileiras

Pernambucana Cers, de ensino à distância, e a casa de carnes Pobre Juan, de São Paulo, terão apoio da organização

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo

23 Abril 2015 | 07h31

Duas empresas brasileiras - a Cers, de ensino à distância de cursos preparatórios para concursos e exames de ordem da OAB, com sede em Pernambuco e a rede de casas de carnes Pobre Juan, de São Paulo - foram selecionadas nesta quarta-feira, 22, como “Empreendedores Endeavor”, uma organização sem fins lucrativos que promove o empreendedorismo em países em desenvolvimento e tem entre seus tutores empresários de calibre, como Jorge Paulo Lemann, dono da 3G Capital (acionista da Burger King, Kraft Foods e InBev).

Participaram este ano do 58º Painel Internacional de Seleção da Endeavor, realizado no Chile, 38 empreendedores de 23 empresas de 10 países - duas delas brasileiras. Das 23 empresas participantes, 18 foram selecionadas.

Os empreendedores brasileiros aprovados foram Renato Saraiva e Francisco Salles, da Cers, Cristiano Melles, Luiz Marsaiolli e Rafael Valdívia, do Pobre Juan. Eles serão apoiados pela organização e terão acesso a uma rede de grandes mentores, com o objetivo de alavancar o crescimento e o impacto de seus negócios. 

“Estar entre os escolhidos é um privilégio. Estamos neste processo (de seleção) há quase um ano e já demos início a mudanças dentro da nossa empresa”, disse ao Estado Renato Saraiva, um dos sócios da Cers, criada em 2009 e que faturou R$ 62 milhões ano passado. “Nos últimos meses, mudamos nosso conceito de TI (tecnologia da informação), aumentando nossa equipe de sete para 24 pessoas nessa área e colocamos a inovação em primeiro lugar”, disse o empreendedor. “Pretendemos oferecer cursos de pós-graduação e programas customizados para empresas privadas e públicas.”

Para Cristiano Melles, um dos sócios da rede Pobre Juan, com 11 unidades no Brasil, fazer parte do Endeavor é ter acesso a grandes empresários, como Lemann, para discutir seu negócio. “Crescemos muito em poucos anos e temos um processo de verticalização da proteína próprio, que faz o rastreamento da carne desde o início (fazenda) até chegar ao prato”, disse. No ano passado, o faturamento da rede, fundada em 2004 com inspiração nas casas de carne da Argentina, ficou em torno de R$ 100 milhões.

Indicação. O processo seletivo da Endeavor funciona por indicação e é dividido em etapas. Após passarem por um filtro inicial, os empreendedores são submetidos a entrevistas com membros da própria organização e grandes especialistas, uma banca nacional e outra internacional, que acontece durante o ISP (International Selection Panel). 

O ISP é a última fase do processo de avaliação da Endeavor, e as bancas da 58ª edição foram formadas por 24 investidores, executivos e empreendedores, responsáveis por avaliar os 38 candidatos das 23 empresas. Nos dois últimos dias, os candidatos a empreendedores foram sabatinados pela banca e participaram de seminários. 

Só no ano passado mais de 2 mil empresas foram avaliadas no Brasil, 300 foram entrevistadas e apenas 8 conseguiram a aprovação final. O objetivo é selecionar os melhores empreendedores do País.

Presente em 22 países, a Endeavor é a principal organização de fomento ao empreendedorismo de alto impacto do mundo. No Brasil desde 2000, trabalha para multiplicar o número de empreendedores e construir um ambiente de negócios melhor para as empresas. No País, já foram selecionados 138 empreendedores, à frente de 77 empresas.

No mundo, são apoiados 1.030 empreendedores, líderes de 651 companhias, e que, juntos, geram mais de 400 mil empregos e somam US$ 6,8 bilhões em receita.

Mais conteúdo sobre:
Negócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.