Divulgação
Divulgação

Endividada, Rumo ALL busca recursos no mercado para financiar expansão

Além de valor que será financiado pelo BNDES, empresa precisa captar recursos complementares para planos de investimento

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo

21 Outubro 2015 | 05h00

Os acionistas da Rumo ALL, controlada pelo grupo Cosan, estão discutindo como vão levantar recursos no mercado para colocar em prática o plano de expansão da companhia ferroviária, apurou o Estado. O levantamento desse dinheiro poderá ser feito com emissão de títulos de dívida (debêntures), mas o formato dessa captação e o valor ainda não estão fechados. O mercado coloca em xeque a capacidade de a companhia conseguir captar recursos no curto prazo por conta de sua dívida.

Em meio à turbulência da economia, com maior restrição de crédito e risco para as empresas, as ações da Rumo ALL estão altamente voláteis. Nesta quarta, caíram 4,3%, negociadas a R$ 7,51, chegando a ficar entre as maiores quedas do dia. Em outubro, os papéis acumulam alta de 24,6%, mas neste ano registram queda de 57,3%. 

Em relatório a clientes, o UBS destaca preocupação com o calendário pesado de amortização da dívida da companhia em meio a um mercado de crédito restrito e diante de um ambicioso plano de investimentos. "Esses fatores têm levantado a bandeira vermelha em relação à necessidade de dinheiro da empresa", destacou o banco. O alerta ocorre em despeito da melhora operacional da empresa prevista pela instituição para os próximos trimestres.

A dívida líquida da companhia encerrou o segundo trimestre em R$ 7,1 bilhões. Com isso, a alavancagem medida pela dívida líquida e Ebtida (lucro antes de juros, impostos e amortizações) está em 4,97 vezes.

Entre abril e maio, pouco tempo após a fusão entre a Rumo com a América Latina Logística (ALL) ter sido aprovada, a expectativa era de que a captação poderia ser entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão. Mas muita coisa mudou desde então. Esses recursos que deverão ser levantados serão complementares aos que a ferrovia negocia com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que vai financiar uma parte do plano de investimento e expansão da companhia nos próximos anos. 

O Estado apurou que o BNDES tem uma linha de crédito já aprovada de R$ 1,7 bilhão para o projeto da Rumo ALL, mas esses desembolsos só são liberados aos poucos, à medida que o projeto de expansão for colocado em prática. Procurada, a Rumo ALL não comenta o assunto. 

A Rumo ALL tem um plano de investir de R$ 7 bilhões a R$ 10 bilhões nos próximos anos para promover a expansão da companhia. No entanto, a nova administração tem pela frente desafios maiores, que são corte de custos e melhoria operacionais de sua atual malha ferroviária, que está sucateada. 

Fontes familiarizadas com o assunto afirmam que os cortes de custos dessa ferrovia estão em andamento e a companhia ferroviária já colocou em prática plano para elevar o escoamento de grãos. "Com o dólar alto, negócios voltados para o agronegócio (baseados em commodities agrícolas, que são exportadas) têm maior facilidade de captação de recursos."

Chancela. A fusão entre Rumo e ALL foi bem vista no governo, uma vez que a ALL enfrentou nos últimos anos diversos problemas para conseguir honrar os seus contratos. "A sinalização do governo é de que a nova administração da companhia deverá entregar um resultado operacional muito melhor, considerando o passado turbulento da ALL", afirmou uma fonte do governo ao Estado.

Com uma malha ferroviária de cerca de 12 mil km, a Rumo ALL é responsável por boa parte do escoamento de grãos do Centro-Oeste até Santos.

Mais conteúdo sobre:
ALLCosandívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.