Endividamento das famílias atinge menor nível desde 2008, diz Fed de NY

A dívida das famílias americanas total, incluindo hipotecas, cartões de crédito e empréstimos para compras de automóveis, caiu US$ 78 bilhões no segundo trimestre

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

14 de agosto de 2013 | 14h21

NOVA YORK - As famílias dos EUA estão mantendo menos dívida e estão com menos contas do que estavam em qualquer momento desde o início da recessão, colocando os consumidores do país em uma base mais sólida para apoiar uma recuperação econômica mais forte.

A dívida das famílias americanas total, incluindo hipotecas, cartões de crédito e empréstimos para compras de automóveis, caiu US$ 78 bilhões no segundo trimestre, para US$ 11,15 trilhões, o nível mais baixo desde 2006, de acordo com um relatório divulgado pelo Federal Reserve de Nova York. A quantidade de contas atrasadas há 30 dias, ou mais, recuou US$ 3,3 bilhões no segundo trimestre, atingindo o nível mais baixo em sete anos.

"As famílias melhoraram suas taxas de inadimplência no geral pelo sétimo trimestre consecutivo, um sinal encorajador para o futuro", afirmou o economista do banco Andrew Haughwout.

O declínio da carga da dívida reflete amplamente mudanças no mercado imobiliário. Os saldos hipotecários recuaram US$ 91 bilhões durante o segundo trimestre. Alguns americanos estão em melhor posição para quitar o principal das hipotecas. Os valores crescentes de habitação também estão permitindo vendas de casas que antes valiam menos do que o montante devido.

Embora a dívida total esteja em declínio, o relatório ofereceu sinais de que os consumidores americanos estão aumentando seus gastos.

As criação de hipotecas subiu para US$ 589 bilhões, o sétimo aumento trimestral consecutivo. O volume de empréstimos para compras de automóveis aumentou US$ 20 bilhões, de março a junho, o maior aumento trimestral desde 2006.

Os saldos de cartões de crédito aumentaram US$ 8 bilhões durante o trimestre, depois de caírem para o menor nível em mais de uma década no início deste ano. Isso sugere que os americanos estão se tornando bastante confiantes na recuperação da economia para financiar mais suas compras com o cartão de crédito.

A parcela de contas dos consumidores que está seriamente endividada também declinou no trimestre. Apenas 5,7% de toda a dívida dos consumidores está com 90 dias ou mais de atraso, a taxa mais baixa em quase cinco anos. A taxa de inadimplência caiu em cada categoria medida, incluindo hipotecas e cartões de crédito. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.