ENTENDA: O que é spread bancário e como ele é formado

O que é spread bancário?

Economia & Negócios,

24 de agosto de 2011 | 13h29

É a diferença entre o custo do dinheiro para o banco (o quanto ele paga ao tomar empréstimo) e o quanto ele cobra para o consumidor na operação de crédito. Se custo de captação do banco é de 10% ao ano, por exemplo, por meio de poupança, CDBs e outros produtos e ele empresta esse dinheiro por 50% ao ano, a diferença é o spread.

Quais são os custos dentro do spread?

1) custo de captação, que é quanto custa o dinheiro para o banco tendo em vista que a referência é sempre a Selic

2) cunha fiscal, que são os impostos e o compulsório, tanto a prazo quanto à vista (leia mais sobre o assunto neste post). O governo aumenta ou diminui o compulsório conforme o dinheiro que pretende tirar ou injetar na economia

3) despesas administrativas: custos com agências e funcionários

4) custo do risco: claro que os bancos embutem a previsão de perda ou inadimplência

5) margem líquida do banco ou receita.

Qual item tem maior peso?

Segundo estudo da Fiesp sobre o assunto, a inadimplência, a cunha fiscal e o lucro do banco são os três itens que mais pesam. Só para lembrar esses cinco itens são os que compõem também o custo do crédito em outros países. Mas, claro, que o peso lá é diferente, embora a composição seja a mesma. O spread em outros países não é tão elevado como o daqui. Estudo da Fiesp de dezembro de 2009, mede a diferença entre o spread brasileiro e dos demais países do mundo e conclui, com base nos dados do FMI e do BC, que o nosso spread chega a ser, em relação a alguns países, até dez vezes maior.

Tudo o que sabemos sobre:
spreadjuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.