Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Entregas de supermercado são a nova fronteira dos aplicativos

Empresas como Rappi, Daki e Merqueo apostam em ‘dark stores’ para ganhar tempo até o consumidor

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 05h00

 A corrida dos aplicativos no Brasil já passou por várias fases. Primeiro, foi a dos apps de transporte, com Uber e 99 deixando para trás uma série de empresas que caíram no esquecimento. Depois, iFood, Uber Eats e Rappi passaram a dominar o segmento de entrega de refeições. A disputa nas entregas de supermercado, porém, ainda está em aberto, e diversas empresas querem agora incomodar as grandes com as “dark stores” (ou lojas ocultas, em tradução livre). 

O modelo funciona da seguinte maneira: as startups montam pequenos centros de distribuição. Essas companhias apostam na proximidade para realizar entregas na maior velocidade possível. E esse modelo tem atraído empreendedores e investimentos milionários.

Um dos casos mais conhecidos é o da brasileira Daki. Fundada em janeiro deste ano e com uma operação que só contemplava 20 bairros da capital paulista, a startup conseguiu captar US$ 170 milhões em seu primeiro aporte. De lá para cá, a Daki expandiu a sua atuação. Atualmente, a companhia conta com 60 “dark stores”, mais de 650 empregados – nem possui uma sede –, além de 1 mil entregadores cadastrados. A empresa já expandiu a atuação para cidades da região metropolitana de São Paulo, além do Rio de Janeiro, e está prestes a iniciar sua operação em Belo Horizonte.

O resultado é que, em dez meses de operação, a empresa se tornou o mais novo “unicórnio” (companhia com valor de mercado estimado em mais de US$ 1 bilhão) do País. Isso aconteceu no início de dezembro, quando a startup recebeu um aporte de US$ 260 milhões de grandes fundos como Tiger Global, Kaszek e Monashees.

“O aporte é direcionado para expansão física, melhorar a experiência em nosso aplicativo e atrair talentos para dentro de casa”, afirmou o presidente e fundador da Daki, Rafael Vasto. 

Novidades

Entre os diferenciais que a empresa promete aos clientes, e que fizeram os investidores apostar fortemente na Daki, estão o frete grátis, além da entrega em menos de 15 minutos – e, de acordo com Vasto, preços competitivos com os vistos nas grandes redes varejistas. Isso acontece, segundo ele, porque a empresa fecha os contratos diretamente com as grandes indústrias, conseguindo maiores descontos e repassando para os consumidores.

Para completar, por ter controle total do estoque, não ocorre o problema de o cliente comprar um produto e ele ser substituído por outro. “Tivemos um crescimento de 930% no último trimestre”, diz Vasto. “Mas isso depende um pouco de novos aportes, e se trata de um mercado que está andando rápido, e não queremos ficar para trás.”

Estrangeiras por aqui

É certo que o segmento tem um crescimento acelerado. Somente nos últimos meses, duas empresas de outros países latino-americanos estrearam no mercado brasileiro. A colombiana Merqueo, com um modelo de negócio similar ao da Daki, chegou ao País em julho com US$ 25 milhões para gastar e com planos de abrir oito espaços para realizar entregas. O maior deles é um de 4 mil m² na Vila Leopoldina, bairro da zona oeste de São Paulo. Um mês depois da estreia no mercado brasileiro, a companhia anunciou o aporte de US$ 50 milhões para acelerar a expansão no País e na América Latina. 

Para isso, ela terá de competir com uma rival latina. A colombiana Justo quer ter de dez a 12 armazéns espalhados pela região metropolitana de São Paulo e quer se diferenciar pela maior oferta de frutas, legumes e verduras, o que exige uma logística ainda mais delicada por causa da baixa vida útil desse tipo de alimentos. 

De acordo com André Braga, vice-presidente da Justo, essa meta deve ser atingida em 12 meses. “Isso representa a metade do tempo que levamos para alcançar o mesmo tamanho no México”, diz Braga. Hoje, a empresa já conta com 1,3 mil funcionários na América Latina.

Grandes de olho

Não existem levantamentos que mostrem o crescimento desse mercado, mas se trata de um segmento que também está chamando a atenção de grandes do setor. O Hortifruti Natural da Terra, comprado em agosto pela Americanas por R$ 2,1 bilhões, já possui mais de 70 lojas em quatro Estados e está iniciando a ampliação de suas “dark stores” para acelerar as vendas digitais da rede, que representam 16% do faturamento de R$ 2 bilhões por ano. 

Da mesma forma que a Justo, aposta na sua oferta de produtos frescos. Por agora, a companhia conta com duas “dark stores”, uma em São Paulo e outra no Rio de Janeiro, e pretende ampliar a operação. 

“Estamos trabalhando a ‘dark store’ como uma iniciativa de inovação e com a lógica de capturar clientes em novas geografias”, comenta Fernando Visser, responsável pela área de inovação da rede.

Liderança

A Rappi, porém, é a empresa que está mais na dianteira da corrida. Apesar de ter começado no Brasil como um aplicativo especializado nas entregas de produtos de terceiros, a companhia já conta com 117 “dark stores” no Brasil e outras 172 espalhadas por cinco países da América Latina. O principal diferencial da companhia é o de entregas em menos de dez minutos – segundo a Rappi, a média do tempo é de 8 minutos e 20 segundos. Para Tijana Jankovic, presidente da subsidiária brasileira da Rappi, o modelo está crescendo cada vez mais e tem o potencial de, em breve, se tornar o principal negócio dentro da companhia.

Mas, com tantos supermercados dentro da plataforma, isso não vira uma concorrência com os parceiros? Na visão de Tijana, não. “Estamos com o foco de criar o hábito do supermercado por aplicativo. Nós não queremos competir nas compras grandes, que continuarão com os nossos parceiros, mas fazer com que o cliente tenha mais recorrência e passe a utilizar mais a ferramenta”, diz a executiva.

Este pode ser um caminho que outros aplicativos podem entrar no futuro, de acordo com especialistas. Afinal, trata-se de uma grande ferramenta de fidelização. O iFood, que domina mais de 70% do mercado de restaurantes, entrou mais tarde na competição por supermercados, mas já coloca o segmento como uma de suas principais rotas de crescimento para o futuro. 

A companhia, que também é um unicórnio brasileiro, está consolidando o modelo de entregas expresso e conta hoje com 5 mil parceiros em 246 cidades. Segundo a companhia, o investimento está ocorrendo por meio de parcerias com outras companhias. O modelo é similar ao da Ambev com o Zé Delivery, em que a fabricante de bebidas utiliza a base de seus distribuidores para realizar vendas diretas para os consumidores finais. 

Operações focadas na velocidade

Modelo espartano

Enquanto as varejistas tradicionais criam lojas de bairro para conseguir  abocanhar as compras de conveniência, as empresas de entrega se concentram na criação de “lojas ocultas”, com estrutura quase espartana, e totalmente concebidas para agilizar o processo de escolha dos produtos e entrega para o motoqueiro ou ciclista

Tudo cronometrado

Nesse mercado, cada segundo conta. O diferencial das empresas está na entrega ultrarrápida, com as compras chegando às mãos dos clientes em menos de 15 minutos, no caso da Daki, e até em cerca de 10 minutos, no caso da Rappi

Recorrência

A estratégia das empresas é criar a recorrência das  compras por meio da conveniência, por isso muitas apostam no frete grátis para não onerar o usuário além da compra. Isso, porém, aumenta muito os custos da operação

Compras diretas

Em vez de comprar com os varejistas, os aplicativos vão atrás da própria indústria de alimentos ou de higiene e beleza, por exemplo, para conseguir preços competitivos com as grandes redes varejistas, que muitas vezes estão dentro da plataforma realizando vendas a distância

Entregadores

Diferentemente das entregas convencionais de refeições, em que na hora do pedido se procura o entregador mais próximo para o serviço, as empresas costumam deixar os entregadores a postos nas “dark stores” para que o pedido seja levado assim que for colocado na sacola. Geralmente, eles possuem menos de dez minutos para realizar as entregas

Modelo sustentável?

Ao mesmo tempo que essa corrida acontece, os aplicativos vão precisar mostrar aos investidores que a conta pode fechar no futuro. Todas estão no momento de receber aportes para acelerar o crescimento, mas a bem-sucedida pode não ser a maior, mas aquela que  

conseguir equacionar melhor os custos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.