ENTREVISTA-Neg?cios lentos de caf? podem afetar volume futuro

A atual lentid?o nos neg?cios paraexporta??o de caf?, em meio a uma safra menor no Brasil e a umc?mbio pouco estimulante, pode se refletir em redu??o deembarques futuros brasileiros. E, caso n?o haja uma intensifica??o nas vendas, o Brasil,maior produtor e exportador mundial de caf?, correria, na piordas hip?teses, at? o risco de perder mercado para algum pa?scom produto mais competitivo. O ritmo lento dos neg?cios "tem um pouco a ver com umasafra menor, com o d?lar e, obviamente, com o fato de que, comesse movimento, o caf? brasileiro se torna mais caro frente aoutras origens", disse ? Reuters o diretor-geral do Conselhodos Exportadores de Caf? do Brasil (Cecaf?), Guilherme Braga. Segundo ele, em julho os embarques ainda n?o ser?o afetadospela redu??o das vendas, ficando ligeiramente superiores aosverificados no mesmo m?s de 2006, quando somaram 1,84 milh?o desacas (60 kg) --a entidade divulga os dados finais no in?cio deagosto. Mas, de acordo com Braga, o "fluxo menor" pode ter efeitosobre contratos para entrega futura. "Existe uma percep??o de que esse volume menor tornedif?cil a realiza??o de embarques futuros, embarques emnovembro, dezembro e janeiro", afirmou ele, ponderando que essemovimento ainda n?o est? consolidado e que poderia haver umarecupera??o se os neg?cios deslanchassem mais de agora emdiante. O diretor do Cecaf? disse ainda que, "se por acaso, portodos esses fatores, o pre?o interno subir muito e n?oconseguir ser repassado para fora, pode haver uma redu??ofutura de vendas", e outro pa?s poderia ocupar espa?o debrasileiros. "Mas n?o estou dizendo que isso ? uma tend?ncia n?o, ofen?meno ? muito recente... se isso se estender, ? evidente quesim (que pode afetar), mas (ainda) n?o existe esse quadro." FRIO, ESTOQUES O diretor do Cecaf? disse ainda que, al?m de a safra2007/08 ser menor, estimada pelo governo em 32 milh?es desacas, 10 milh?es de sacas abaixo da verificada em 2006/07--este ? o ano de baixa no ciclo bianual do ar?bica--, h? aindao inverno rigoroso no Brasil, que deixa hoje os produtores maisreceosos a venderem. "Estamos em um per?odo ainda sujeito ao nervosismo de frio,que atua como um fator de conten??o, h? um volume de recursos(p?blicos) para estocagem bastante amplo, e esses fatores todossomados levam a uma redu??o desse fluxo (de neg?cios)",complementou Braga, discordando ainda que os leil?esgovernamentais de Pepro estejam entre os fatores que desmotivamas vendas, como afirmaram corretores [ID:nN30314282]. Mesmo admitindo que o d?lar n?o estimula as exporta??es, oCecaf? prev? que as vendas externas cairiam proporcionalmentemenos que a produ??o em 07/08, para um volume entre 25 milh?ese 26 milh?es de sacas no atual ano-safra, contra 29,2 milh?esde sacas da temporada anterior, terminada em junho, em fun??oda colheita menor. Com essas exporta??es, considerando ainda os estoques depassagem em 06/07, a produ??o e o consumo interno em 07/08, osestoques finais brasileiros seriam de cerca de 7 milh?es desacas em 07/08, na avalia??o do Cecaf?. "Em tese a situa??o n?o? t?o ruim assim, dentro da perspectiva." (Por Roberto Samora)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.