Equador renegociará contrato com a Petrobras

O Equador planeja renegociar um contratocom a Petrobras por conta da disputa de um campo petrolífero,afirmou no domingo o presidente equatoriano, Rafael Correa,numa emissora de televisão local. Uma comissão do governo equatoriano questionou, em julho, odesenvolvimento pela Petrobras do campo de Palo Azul, queproduz 35 mil barris de petróleo por dia e cuja propriedadeestá em disputa. A comissão pediu o cancelamento do contratocom a estatal brasileira. "Há um erro. Este não é um campo integrado e logo aPetrobras não poderia se instalar nele, temos que renegociareste contrato", afirmou Correa numa entrevista para a TV. Correa disse ainda que Palo Azul foi passado à Petrobrascomo campo compartilhado, o que significa que a empresabrasileira divide o petróleo da área principal com aPetroecuador, petrolífera estatal equatoriana que possui umbloco adjacente. "Acontece que são duas bacias diferentes", afirmou opresidente do Equador. Representantes da Petrobras não estavam imediatamentedisponíveis para comentar o assunto. A companhia nega ter agidode forma incorreta em Palo Azul. A Petrobras é uma das empresas que mais investe no país eno Equador extrai a maior parte do petróleo em Palo Azul. Correa, ex-ministro de esquerda da Economia, se comprometeua renegociar os contratos petrolíferos estrangeiros paraaumentar o faturamento vindo do petróleo do endividado Estado. O Equador enfrenta ainda uma queixa da OccidentalPetroleum, que cancelou seu contrato logo depois que o governodo país acusou a empresa norte-americana de transferirilegalmente parte de um bloco petrolífero. A Occidental nega as acusações e pede a devolução de seusativos e uma indenização de 1 bilhão de dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.