Equatorial e Celpa não assinam proposta; J&F será considerada

A Equatorial Energia e os acionistas da Celpa não assinaram proposta de compra e venda da empresa paraense até segunda-feira, conforme estabelecido pela Justiça do Pará. Com isso, o administrador judicial da distribuidora disse que a J&F, outra interessada, será considerada para assumir a companhia.

Reuters

25 de setembro de 2012 | 09h01

"Eles (a Equatorial) estavam negociando ontem uma proposta de compra e venda cheia de condicionantes. Os acionistas da Celpa não assinaram", disse à Reuters o administrador judicial da Celpa, Mauro Santos, nesta terça-feira.

Segundo Santos, entre as condicionantes que a Equatorial apresentava na proposta estava um acordo com o governo do Estado sobre o ICMS devido --que já está em 458 milhões de reais.

Na manhã desta terça-feira, o acionista da J&F Joesley Batista se reúne com o governador do Pará para discutir sobre a Celpa, afirmou Santos.

Representantes do Grupo Rede Energia e da J&F, além da juíza da 13a Vara Cível do Pará, Maria Filomena Buarque, e o administrador judicial da Celpa também têm reuniões previstas para esta terça-feira, às 13h. A Equatorial Energia participaria desta reunião, mas o administrador da Celpa disse já não considerar a presença da empresa.

Está agendada ainda nova assembleia de credores da Celpa para o dia 8 de outubro, na qual será formalizado o interesse de outro investidor pela empresa, no caso, a J&F.

Na semana passada, a Agencia Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou parcialmente o plano de transição da Celpa, o qual a Equatorial considerava uma condicionante para assumir a companhia paraense.

A Equatorial Energia não estava imediatamente disponível para comentar o assunto.

(Por Anna Flávia Rocha)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIACELPAPROPOSTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.