Equilíbrio do déficit em conta corrente justifica rating, diz Febraban

Segundo economista-chefe da Federação, equilíbrio se deve aos bons resultados da balança comercial, que segundo pesquisa, fechará 2011 com um superávit de US$ 20,2 bilhões

Francisco Carlos de Assis, da Agência Estado,

22 de junho de 2011 | 17h41

O economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Rubens Sardenberg, atrelou nesta quarta-feira, 22, a elevação do rating dos bônus do governo brasileiro pela Moody's na última Segunda-feira (20), de Baa3 para Baa2, ao equilíbrio do déficit na conta corrente do balanço de pagamentos brasileiro. Na pesquisa Febraban de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado de junho, a mediana das expectativas de 31 bancos aponta para um déficit de US$ 59,8 bilhões neste ano e de US$ 70,2 bilhões no próximo ano. No levantamento de maio, as previsões apontavam para um déficit de US$ 60,9 bilhões neste ano e de US$ 69,7 bilhões, no próximo ano.

A este equilíbrio do déficit da conta corrente, Sardenberg associa os bons resultados da balança comercial, que segundo a pesquisa da Febraban deste mês, fechará este ano com um superávit de US$ 20,2 bilhões e o próximo ano, em US$ 10,9 bilhões. No levantamento de maio, as projeções apontavam para um saldo comercial de US$ 18,2 bilhões neste ano e de US$ 11,9 bilhões, em 2012. "Os demais gastos na conta corrente estão subindo, até refletindo a apreciação cambial, mas a balança comercial tem apresentado números bons, o que está dando certa estabilização da conta corrente e justifica a elevação do rating do Brasil."

Sardenberg também ressaltou a entrada de Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) no País, o que assegura o financiamento do déficit na conta corrente. De acordo com a pesquisa da Febraban, neste ano o Brasil receberá US$ 51,3 bilhões em IED neste ano. No ano que vem, a pesquisa aponta que o País receberá US$ 46,9 bilhões. A entrada destes recursos, segundo o economista da Febraban, ajudará a elevar ainda mais as reservas internacionais do País para US$ 342,6 bilhões neste ano e para US$ 357,9 bilhões em 2012, segundo o levantamento feito pela entidade com 31 bancos entre os últimos dias 16 e 21.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.