Escritório do BB na China será transformado em agência

Segundo o banco, faltam duas autorizações do regulador que devem ser dadas ao longo de 2013

Aline Bronzatti, da Agência Estado,

12 de dezembro de 2012 | 10h57

SÃO PAULO - O Banco do Brasil recebeu autorização, na terça-feira (11), do órgão regulador chinês para transformar seu escritório de representação em agência, em Xangai. O vice-presidente de Atacado, Negócios Internacionais e Private Bank do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, explicou que faltam duas autorizações do regulador que devem ser dadas ao longo de 2013.

"O objetivo é trabalhar o relacionamento comercial Brasil e China, atendendo empresas brasileiras com operações lá e chinesas com atuação no Brasil", disse Caffarelli, em evento na BM&FBovespa para celebrar o início de negociação das cotas do Fundo de Investimento Imobiliário BB Progressivo II.

Na China, o banco atua há dois anos, no escritório de representação com seis pessoas, e a expansão é justificada pelo volume de negócios do Brasil que migrou para o país asiático. O BB pretende contratar mais cerca de 20 pessoas localmente. Sobre a estratégia internacional do banco, entretanto, o foco é crescer na América do Sul. O BB está olhando para oportunidades no Chile, Peru e na Colômbia.

"Juntamente com Argentina e Uruguai queremos ter presença expressiva nesses países", disse o executivo. O tamanho das aquisições deve ser do porte do banco Patagonia, cuja compra foi autorizada pelo Banco Central argentino em fevereiro de 2011. O Patagonia tem hoje 160 agências. O valor disponível para as eventuais aquisições não foi revelado, mas o executivo disse que o "BB não tem problemas de caixa", e que a intenção dessas operações é agregar valor. Nos Estados Unidos, o plano é crescer na Flórida e Nova Jersey, onde o BB tem operação bancária de atacado.

Tudo o que sabemos sobre:
BBChinaagência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.