DPZ&T/ Divulgação
DPZ&T/ Divulgação

ESG se tornou pilar estratégico dentro de agência de publicidade, afirma presidente da DPZ&T

Benjamin Yung acredita que momentos de crise costumam representar excelentes oportunidades para a criatividade ajudar empresas a se destacarem

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2022 | 05h00

Muitas vezes é complicado manter o otimismo com tantas crises acontecendo ao mesmo tempo, como é o caso do Brasil. Porém, apesar dos problemas econômicos, sanitários e sociais pelos quais o Brasil passa, Benjamin Yung, presidente da DPZ&T, acredita que a tendência para 2022 será a “busca por um amanhã melhor”. Logo, por causa disso, o ESG (sigla em inglês para as áreas ambiental, social e de governança) não é apenas mais uma preocupação dentro da agência de publicidade, mas se tornou um pilar estratégico na DPZ&T.

“A gente aqui na DPZ&T enxerga ESG como um pilar estratégico fundamental para a criatividade e para os negócios. Cada vez mais, os acionistas priorizam organizações com agendas ESG bem definidas”, afirma Yung. 

Um dos exemplos dados pelo executivo é o da Petrobras, empresa para a qual a DPZ&T trabalha desde 2017. Nos últimos anos, a ordem foi trazer cada vez mais transparência para a estatal, com conteúdos explicando a importância da petroleira para a economia do País, mas também para a transição do Brasil para ser uma economia de baixo carbono – algo que os próprios investidores da Petrobras na Bolsa vêm cobrando nos últimos tempos. 

“Mostramos à sociedade que a contribuição da Petrobras está, muitas vezes, onde as pessoas nem imaginam, com uma abordagem ESG sobre a atuação da companhia no âmbito socioambiental”, diz o executivo. Uma campanha, intitulada “Contribuição para a sociedade”, mostra o apoio da empresa para algumas áreas, como na preservação de baleias jubarte, doação de gás de cozinha para a população mais pobre e a participação da estatal em projetos sociais.

No cargo de presidente desde outubro de 2021, Yung terá como missão consolidar os conceitos do ESG dentro da agência e também em seus clientes. Mas ele sabe que será um ano bem desafiador para isso, com eleições próximas, além da combinação de juros e inflação em alta e um crescimento econômico estagnado. 

Porém, há espaço para otimismo. “Momentos de crise costumam representar excelentes oportunidades para a criatividade ajudar empresas a se destacarem. Isso nos deixa um pouco mais animados, mesmo com o fantasma da pandemia ainda rondando”, afirma.

Tecnologia

Uma das tendências em que a DPZ&T está de olho é o aumento da capacidade de utilização dos dados no mercado para entender o consumidor e fazer campanhas mais assertivas. Para o executivo, outro ponto que deve auxiliar nesse processo será a implementação do 5G no País, que deve ter início ainda em 2022. 

“Dados são commodities, então precisamos olhar criativamente para eles e transformar esse monte de informação em ideias poderosas capazes de gerar valor para nossos parceiros. A chegada do 5G pode contribuir muito para isso. Com toda essa velocidade, teremos a oportunidade de produzir mais conteúdos e com maior qualidade”, diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.