Espanha criará empregos a partir do 2º semestre, diz Zapatero

Taxa de desemprego no país chega a 20,3%, o maior nível desde 1997 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

31 de janeiro de 2011 | 09h09

A Espanha pode criar novos empregos a partir do segundo semestre deste ano, depois de perder cerca de 2 milhões de vagas nos últimos três anos, afirmou o primeiro-ministro José Luís Rodriguez Zapatero em entrevista a uma rede de televisão espanhola.

O governo da Espanha permanecerá concentrado na implementação das reformas econômicas anunciadas recentemente, incluindo reformas no setor financeiro de alta prioridade, disse Zapatero.

O primeiro-ministro declarou que os bancos precisam buscar financiamento privado e reduzir o tamanho de suas operações para compensar uma diminuição no mercado bancário espanhol. Zapatero também destacou que a União Europeia está se movendo na direção de políticas fiscais harmonizadas, o que pode ajudar a fornecer suporte para o euro.

Na semana passada, o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) espanhol informou que o desemprego no país no quarto trimestre do ano passado subiu para perto de 5 milhões, ou 20,3% da força de trabalho, o maior nível desde 1997. Mais de 138 mil empregos foram eliminados no trimestre, mais do que nos três trimestres anteriores somados. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.