Espanha diz que tem apoio da União Europeia e não precisa de resgate

Um dia antes da divulgação do resultado da auditoria dos bancos espanhóis, ministro do Orçamento da Espanha diz que bancos do país não precisam de resgate

Álvaro Campos, da Agência Estado,

20 de junho de 2012 | 10h15

MADRI - O ministro do Orçamento da Espanha, Cristóbal Montoro, afirmou nesta quarta-feira que o governo do país não precisa de um resgate internacional, apesar da alta nos custos de financiamento. Segundo ele, o governo e as instituições da União Europeia têm um papel a exercer no combate ao que ele chamou de "crise do projeto do euro".

"Se nós não consertarmos os problemas, se nós não abordarmos seriamente a raiz dos problemas, a crise vai continuar", disse ele em uma audiência no Parlamento. Segundo o ministro, a principal prioridade do governo é reparar o problemático sistema bancário do país.

Seus comentários são feitos antes da divulgação dos resultados prévios de uma auditoria realizada por duas consultorias privadas sobre a situação dos bancos do país, que será liberado amanhã. Um segundo resultado, mais detalhado, deve ser finalizado até 31 de julho.

O governo da Espanha tem dito que as auditorias vão ajudar a determinar quanto capital os bancos do país precisam para se recapitalizar. Existem temores de que a ajuda anunciada recentemente pela UE, de até 100 bilhões de euros, não seja suficiente.

Montoro também disse que o governo espanhol planeja implementar reformas econômicas, ao aprovar uma nova legislação contra a fraude tributária nas próximas semanas. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
espanhacriseeuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.