Espanha vai acelerar reforma de bancos de poupança, diz vice-premiê

Quarenta bancos regionais, de um total de 45, estão participando de um processo de reestruturação, conduzido pelo banco central do país

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

24 de janeiro de 2011 | 09h07

A Espanha vai "acelerar" nesta semana a reforma dos bancos de poupança, as chamadas "cajas", que foram bastante atingidos pela crise hipotecária espanhola e geram receios sobre a economia local, de acordo com o vice-primeiro-ministro do país, Alfredo Perez Rubalcaba.

Durante uma reunião do Partido Socialista, Rubalcaba disse que esta semana será "muito importante" para a economia da Espanha porque vai "acelerar" as reformas financeiras, principalmente a dos bancos de poupança. Ele não divulgou detalhes, mas na sexta-feira anunciou que havia planos para "aumentar a solvência e a credibilidade" dessas instituições.

Os maiores bancos da Espanha conseguiram contornar relativamente bem a crise financeira provocada pelo mercado de hipotecas subprime em 2009, já que não podem investir muito em empréstimos de alto risco. Bancos menores, no entanto, que geralmente são controlados por políticos locais, foram amplamente atingidos pelo colapso do mercado de propriedades espanhol porque concederam um grande volume de crédito às construtoras e também na forma de hipotecas.

Quarenta bancos regionais, de um total de 45, estão participando de um processo de reestruturação do setor, conduzido pelo Banco da Espanha, o banco central do país. Apesar disso, os mercados continuam nervosos com a saúde dessas instituições financeiras, que respondem por aproximadamente metade de toda a poupança espanhola.

Todos os oito grandes bancos da Espanha foram aprovados nos testes de estresse promovidos pela União Europeia em julho de 2010, mas cinco de 19 bancos regionais foram reprovados. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.